UEPB supera adversidades da pandemia e contribui para Paraíba ser destaque nacional em ensino remoto

16 de abril de 2021

A pandemia da Covid-19 impôs às instituições de ensino grandes desafios. Com a suspensão das atividades presenciais devido às medidas de isolamento social para evitar a disseminação do novo Coronavírus, escolas de todos os níveis e as Instituições de Ensino Superior (IES) precisaram se reinventar e encontraram nas plataformas digitais e virtuais de informação e comunicação um meio possível para prosseguir com o desenvolvimento de atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão.

Na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) não foi diferente. A Instituição está com as atividades acadêmicas presenciais suspensas desde março de 2020, e para garantir o funcionamento dos cursos de graduação e pós-graduação durante a pandemia, e assim minimizar prejuízos aos seus mais de 20 mil estudantes, passou a recorrer ao uso de tecnologias digitais como ferramenta educacional. Para isso, como lembra o professor Eli Brandão, pró-reitor de Graduação, logo após o Decreto de Suspensão das atividades presenciais, ainda em março do ano passado, a UEPB publicou a Instrução Normativa 01/2020, que facultava a continuidade das atividades acadêmicas com o uso de plataformas tecnológicas digitais.

Naquela ocasião, diz ele, “cerca de 25% dos componentes curriculares prosseguiram em desenvolvimento.” O professor Eli ressalta que essa medida imediata só foi possível porque, desde 2017, a PROGRAD vem realizando Jornadas Pedagógicas, com palestras e oficinas, enfatizando “O Desafio da prática docente em face das transformações culturais e tecnológicas”, de modo que se sabia haver docentes que já dominavam algum tipo de ferramenta tecnológica. Para além disso, ressalta ainda, passados dois meses e a Pandemia se alastrasse, foi aplicado um questionário para docentes e estudantes, buscando conhecer melhor a situação. Como consequência dos resultados obtidos, a UEPB fez publicar editais tendo em vista a inclusão digital.

Com o mesmo propósito, a PROGRAD promoveu palestras, cursos e oficinas sobre o uso de plataformas digitais como mediação pedagógica, para estudantes e docentes. Ao mesmo tempo, houve um debate sobre o tema no âmbito da Universidade e, em consequência, os Conselhos Superiores da UEPB, Conselho Universitário (CONSUNI) e Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE), aprovaram a regulamentação geral sobre o desenvolvimento de atividades acadêmicas na Instituição, de forma remota: Resolução/UEPB/CONSUNI/0330/2020; Resolução/UEPB/CONSEPE/0229/2020).

“O propósito de todo esse esforço coletivo”, ressalta o Pró-Reitor, “não é apenas dar prosseguimento às atividades acadêmicas, mas de fazê-lo tendo em vista o alcance dos objetivos de aprendizagem. Temos a consciência de que não é possível fazer tudo o que é necessário, mas temos também a consciência de que é necessário fazer tudo o que for possível”, finalizou.

As Resoluções estabeleceram normas para a realização de componentes curriculares, bem como outras atividades de ensino e aprendizagem, orientação, pesquisa e extensão, por meio de atuação não presencial, na graduação, pós-graduação e no ensino médio/técnico, abrindo assim, os caminhos que favoreceram o ensino remoto emergencial durante a pandemia.

O êxito desse empreendimento da UEPB se somou ao trabalho da Secretaria de Educação do Estado da Paraíba, que também avançou nesse modelo de ensino. O reconhecimento veio através de uma pesquisa feita pela Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV/EESP), que colocou a Educação da Paraíba como destaque nacional na utilização do ensino remoto. A professora Melânia Farias, pró-reitora adjunta de Graduação da Instituição, explicou que o pioneirismo da Instituição no desenvolvimento desse modelo foi muito além de instituir como as aulas deveriam acontecer.

“Desde o início das discussões sobre o ensino remoto a Coordenação de Ensino Superior da PROGRAD passou a atuar e trabalhar as temáticas relacionadas ao uso das tecnologias digitais no ensino. Isso aconteceu desde o processo de formação dos docentes e estudantes da Instituição na realização das Jornadas Pedagógicas, como nos cursos de formação que oferecemos com o suporte do Programa Conecta UEPB. A UEPB logrou o êxito ao continuar a formações de seus estudantes, como também ao entregar ao mercado de trabalho mais de mil novos profissionais que concluíram os seus cursos nesse contexto da pandemia da Covid-19”, destacou a professora Melânia.

Para oferecer melhores condições de ensino, a UEPB criou o Programa Auxílio Conectividade (Resolução UEPB/CONSUNI/0327/2020) que teve o objetivo de assegurar a inclusão digital de estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica para garantir o adequado acompanhamento e participação nas atividades não presenciais ofertadas pela Instituição. A proposta possibilitou oferecer aos estudantes recursos que ajudaram na aquisição de equipamentos, ou acesso à internet de qualidade para ter acesso às aulas.

A Pró-Reitora Estudantil, professora Núbia Nascimento, revelou que no geral, já foram beneficiados 3.278 estudantes com a bolsa mensal, no valor R$ 100 para aquisição de internet, e 3.227 com a valor na forma de parcela única de R$ 1 mil para a aquisição de equipamento. “A UEPB foi uma das primeiras Universidades do Nordeste a implementar o ensino remoto e ofertar assistência aos discentes para o acompanhamento das aulas on-line. Embora não disponibilizássemos de recursos suficientes para atender a todos os inscritos no programa assistencial, atendemos uma grande quantidade de estudantes”, ressaltou a professora Núbia.

A professora Vaneide Lima Silva, pró-reitora de Ensino Médio, Técnico e Educação a Distância (PROEAD), destacou a importância dessa iniciativa ousada que possibilitou aos estudantes manterem o contato com a sala de aula por meio das plataformas digitais. Vaneide destacou a expertise que a UEPB possui no ensino a distância, mas que com essa iniciativa, a Instituição desponta como um caso de sucesso no desenvolvimento do ensino remoto no Brasil.

Ela ainda acrescentou que a partir do momento em que se instaurou a pandemia da Covid-19, a Administração Central da UEPB, consciente do seu compromisso com a comunidade universitária, não poupou esforços no sentido de buscar normalizar e regulamentar na Instituição o ensino que contasse com o uso de plataformas digitais, iniciativa necessária para dar continuidades às atividades acadêmicas.

“Para uma Instituição que tem uma tradição na oferta de cursos na modalidade a distância, a normalização do ensino remoto significou uma saída bastante viável e promissora, pois vem dando prosseguimento ao ensino e, na medida do possível, a pesquisa e a extensão, pilares basilares do Ensino Superior. Nesse contexto, o trabalho dos docentes e técnicos da UEPB tem dado uma contribuição relevante de compromisso e competência”, comentou.

Texto: Severino Lopes