Técnico administrativo da UEPB conquista primeiro lugar na 3ª edição do GP Extreme Triathlon

10 de abril de 2019
Flaviano Aguiar com o prêmio
pelo 1º lugar na competição

Já pensou ter que percorrer mil metros nadando, 100 quilômetros pedalando em uma bicicleta e mais 10 quilômetros correndo? Tudo isso em sequência e cravar o tempo de 5 horas e 20 minutos. Difícil, não? Pois o servidor técnico administrativo da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Flaviano Aguiar, além de ter esse desempenho no 3º GP Extreme Triathlon, disputado em João Pessoa, no último sábado (6), ainda conquistou o 1º lugar na categoria entre 50 e 54 anos.

No auge dos seus 53 anos, o servidor do curso de Sociologia não pensa em parar por aí e já projeta novos desafios. “Esse resultado foi muito bom para mim. Mostrou que estou fazendo uma boa preparação, já que meu objetivo é disputar o Iron Man em 2020, que será realizado em Maceió (AL) ou em Fortaleza (CE)”, projetou Flaviano. Essa meta não está distante, uma vez que a preparação dele já foi iniciada no ano passado, quando disputou o Iron Man 70.3, em Maceió. A prova utiliza as marcas de 1.900 metros de natação, 90 quilômetros de bicicleta e 21 quilômetros de corrida, exatamente a metade do Iron Man.

“Ano passado, meu tempo foi de 6 horas e 22 minutos no Iron Man 70.3, que foi um tempo muito bom também levando em consideração a minha categoria. Esse ano estou fazendo um treinamento específico para a versão completa, que é bem mais desgastante devido ao percurso de 3.800 metros de natação, 180 quilômetros de bicicleta e 42 quilômetros de corrida. Só a distância da corrida é de uma maratona. Isso já comprova a dificuldade que é essa modalidade”, acrescentou.

Precisando se dividir entre a rotina do trabalho e a de atleta, Fabiano treina todos os dias e afirma que vem seguindo todas as recomendações do seu treinador para não pecar na hora dos treinamentos. Segundo ele, aprimorar a resistência é o principal desafio pela exigência da prova. “Esse é um esporte diferenciado, exige muito do atleta. Eu treino corrida na BR, natação em uma piscina de boas condições e a bicicleta precisa ser a mais adequada possível, já que ela é de alto investimento. Mas temos que superar todos esses obstáculos, principalmente na administração do tempo da nossa rotina”, disse.

Ainda sobre o resultado do 3º GP Extreme Triathlon, Flaviano frisou que essas provas são fundamentais para que ele tenha condições de avaliar seu desempenho projetando a diminuição do tempo, o que pode ajudar no seu desenvolvimento para provas maiores. “Esse tipo de prova é fundamental participar, assim como as corridas de rua, a exemplo da Corrida da UEPB. Nós conseguimos estabelecer metas, avaliar nosso treinamento e principalmente rever os amigos, já que conversar com outros atletas nos ajuda muito na preparação, além de nos incentivar”, confirmou Flaviano.

Texto: Givaldo Cavalcanti
Foto: Divulgação