Projeto do CCBSA atua junto a jovens buscando o despertar crítico e cidadão sobre temas do cotidiano

5 de abril de 2016

MUDDE2

Em tempos de crise política e econômica, violência doméstica e escolar, falta de oportunidade no mercado de trabalho, preconceito em todas as esferas sociais, jovens e adolescentes brasileiros são confrontados por uma realidade que pode despertar sentimentos de revolta, raiva, descontentamento, mas que também pode ser a chave para suscitar uma postura crítica, cidadã e de busca por seus direitos.

Com o objetivo de auxiliar nesse processo de descoberta, foi criado o projeto “Memória, sociedade e cidadania (MUDDE): reflexão para além dos muros acadêmicos”, vinculado ao curso de Arquivologia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e desenvolvido junto a estudantes do ensino superior e ensino médio da Escola Estadual José Lins do Rêgo, em João Pessoa.

O MUDDE tem o objetivo de causar reflexão e despertamento através de rodas cidadãs, música e produção de conteúdo via redes sociais. De acordo com o coordenador do projeto, professor Henrique França, a opção por trabalhar com o público jovem atende a uma necessidade de provocar senso crítico e processo de esclarecimento sobre questões que irão interferir no futuro destes estudantes. Essa perspectiva de atuação é refletida no termo que também é utilizado para nomear o projeto. MUDDE, uma sigla invertida das palavras “envolvimento, diálogo, despertamento, unidade e mudança”.

Aprovado em edital da Pró-Reitoria de Extensão da UEPB, o projeto conta com uma bolsista no curso de Arquivologia e quatro colaboradores do ensino médio que se reúnem em rodas de diálogo, realizam atividades de leitura relacionados à temática do projeto e organizam campanhas de conscientização sobre temas do cotidiano desses jovens. Durante o mês de março, o Câmpus V da UEPB, onde o projeto é desenvolvido, ganhou cartazes que abordam a temática do bullying. Em abril o tema abordado será urbanismo, como a cidade vem sendo ocupada, como tornar o ambiente urbano mais democrático, a violência nas cidades.

“Nossa perspectiva é mostrar formas de agir pela não violência. E a ideia é que eles possam expressar aquilo em que acreditam e que esses estudantes tornem-se multiplicadores dessas ações. Dessa forma, inicialmente estamos mais preocupados com o conteúdo das mensagens do que com a questão estética. Então fixamos cartazes relacionados à temática escolhida, pensados e construídos pelos jovens do projeto a partir de um consenso do grupo. Assim também ocorre com nossas ações que têm ‘a cara’ deles”, explicou o professor Henrique.

Uma das ações promovidas pelo MUDDE, em março, que envolveu o projeto “Audiovisualmentes: produzindo e mediando conteúdos educacionais como ferramenta de disseminação social e comunicação pedagógica”, também coordenado pelo professor Henrique França, e o Projeto Universidade em Ação (PUA), vinculado ao Bacharelado em Relações Internacionais, foi uma tarde de atividades voltada aos estudantes do ensino médio da Escola Estadual José Lins do Rêgo.

Com cerca de 600 participantes das turmas do 1º, 2º e 3º anos, a ação contou com exibição de vídeos, momentos de diálogo, música e a apresentação dos palhaços Mancada e Fumaçinha, abordando as diversas faces da violência. De acordo com a diretora da Escola José Lins do Rêgo, Miriam Gonçalves Dias, a iniciativa favoreceu o diálogo com os estudantes e serviu de alerta para evitar situações de violência que são a realidade vivenciada por muitos jovens no ambiente escolar e em casa. A diretora acredita que a partir desse trabalho alguns alunos já irão se interessar em participar das campanhas e ações do projeto MUDDE atuando como agentes multiplicadores.

Texto: Juliana Marques