Projeto de extensão produz conteúdos na Internet sobre objetivos de desenvolvimento sustentável

1 de junho de 2021

A extensão é um dos pilares do processo pedagógico universitário, ou seja, parte indispensável do pensar e do fazer acadêmico. Ao traçar um paralelo entre a universidade e a sociedade, por meio da extensão o estudante consegue ampliar o conhecimento, acrescentar experiências, além de receber suporte para sua evolução cultural, social e profissional, podendo assim, visualizar-se no campo de trabalho de forma humanitária.

Durante a pandemia de Covid-19, as atividades extensionistas tiveram de se reinventar com o objetivo de prosseguir com as ações planejadas. Assim, ocorreu com o projeto de extensão “Anti-Horário”, da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) do curso de Jornalismo, coordenado pelo professor Antônio Simões Menezes, que vem se adaptando aos novos tempos e executando as atividades de forma remota.

O projeto surgiu em 2018 com o objetivo de trabalhar com notícias inspiradoras, fazendo um contraponto à maior parte do conteúdo jornalístico divulgado pela mídia. Nesse sentido, foi produzida uma série de vídeos para o canal Anti-Horário no YouTube com a temática da gentileza. Em 2019 o projeto se expandiu, começando a oferecer aperfeiçoamentos para estudantes das escolas públicas de Campina Grande para produzirem conteúdos com esse viés inspirador. Porém, com a pandemia e a necessidade de adaptação, a forma encontrada de continuar foi com as oficinas na modalidade de ensino remoto.

Cadastrado no Programa de Bolsas de Extensão (PROBEX) cota 2020/2021, em 2021 o projeto passou a promover transmissões no Instagram (@projetoantihorario) com a perspectiva de ampliar o público e contemplar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Apesar de todas as limitações impostas pela pandemia, a estudante extensionista Teresa Raquel cita que o projeto a fez enxergar a importância de um jornalismo positivo. “São ações muito necessárias, que nos inspiram enquanto estudantes a transformar o mundo em um lugar melhor por meio do nosso trabalho”, avalia.

O professor Antônio Simões lembra que a ideia da equipe é ampliar as oficinas nas escolas públicas para além das fronteiras do município de Campina Grande, mas, as novas ações dependem de como será a evolução da Covid-19 na região. “Para o próximo ano a gente pretende voltar a focar nas escolas públicas, no aperfeiçoamento dos estudantes dessas escolas, e, talvez, ampliar as oficinas que a gente realiza para escolas de municípios vizinhos ou para a área rural desses municípios. Temos também projetos de outras ações, mas tudo vai depender desse contexto de pandemia”, avalia o docente.

No Instagram é possível acompanhar as transmissões e os conteúdos produzidos pela equipe de extensionistas. Dentre as temáticas já contempladas estão o consumo consciente, educação de qualidade e desigualdade de gênero.

Texto: Joyce Lima (Estagiária)
Fotos: Reprodução/Anti-Horário