Projeto de extensão oferece assistência à saúde para músicos com foco em ergonomia e prevenção de lesões

30 de agosto de 2016

No imaginário das pessoas a vida de um músico pode ser regrada a horas de apresentações, multidões gritando o seu nome, fãs fazendo filas para autógrafos, fama, dinheiro e reconhecimento por onde passa. Em vários casos isso é bem possível. Mas o que muita gente não percebe são as horas de dedicação do músico para domínio do instrumento, estudo, composições, ensaios intermináveis e um desgaste físico que pode causar vários problemas de saúde.

Deixando de lado a parte glamourosa da história, um projeto de extensão do Departamento de Educação Física (DEF) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) oferece atenção e assistência à saúde para músicos instrumentistas, com atenção redobrada na prevenção aos problemas físicos como lesões musculares, tendinites, inflamações articulares e dores em geral. Coordenado pelo professor Andrei Guilherme Lopes, o projeto “Músicos em Movimento: ergonomia, prevenção e saúde” presta orientação sobre a importância do condicionamento físico, aquecimento e alongamento direcionados à atividade musical.

“Nosso projeto existe desde o começo do ano e fazemos um trabalho de educação e orientação com escolas de música, grupos, orquestras e bandas, orientando os músicos no que diz respeito à postura, a necessidade de alongamento antes de tocar, e alertando sobre os perigos e problemas de saúde que podem aparecer quando não tomam os devidos cuidados. A profissão de músico é uma das que mais gera afastamento por problemas físicos, por isso é preciso ter cuidado com a saúde”, disse Andrei.

O projeto oferece atendimento como consultoria direcionada a cada um dos diferentes instrumentos, como percussão, cordas, teclas, sanfona, sopro e muitos outros. De acordo com Andrei Lopes, cada instrumento tem uma postura e exigência física específicas, o que torna a orientação mais valiosa, uma vez que para cada músico há uma assistência diferente. “Se estivermos atendendo um sanfoneiro, por exemplo, ele terá que focar mais em exercícios de peitoral. Um guitarrista já será mais no punho e assim sucessivamente”, explicou.

Um dos focos do projeto é oferecer assistência a músicos populares, integrantes de orquestras ligadas aos órgão públicos, escolas que oferecem o estudo de música aos seus alunos e demais profissionais que vivem da música. O professor Andrei destaca ainda que com a prática regular de exercícios de fortalecimento muscular e alongamento antes das apresentações, o músico terá inúmeros benefícios, tanto de performance, como também de qualidade de vida.

“Os resultados aos quais podemos chegar são muitos. Alguns deles remetem ao prolongamento da carreira, redução de dores e incômodo nas articulações, redução do cansaço físico, melhora do comportamento ergonômico e apresentações com menos intervalos, já que o músico estará melhor preparado fisicamente. Existe um estudo que comprova que um baterista, por exemplo, gasta em 90 minutos de apresentação a mesma quantidade de calorias que um jogador de futebol. Daí a necessidade de estar bem preparado fisicamente”, argumentou Andrei.

Os interessados em participar do projeto “Músicos em Movimento: ergonomia, prevenção e saúde” podem procurar o Departamento de Educação Física, através do telefone (83) 3315-3350 e agendar uma reunião. Os atendimentos e workshops poderão ser realizados tanto nas dependências do DEF como também em escolas ou locais de ensaio das orquestras e bandas. Informações mais detalhadas sobre o projeto também podem ser solicitadas através do email projetomusicos@gmail.com.

Texto e Fotos: Givaldo Cavalcanti