Professor da Universidade Estadual lança livro sobre diversidade e conservação das serpentes paraibanas

4 de setembro de 2017

Será lançado no próximo dia 29 de setembro o livro “Serpentes da Paraíba: diversidade e conservação”, que tem como um dos autores o professor Rômulo Alves, do Departamento de Biologia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Câmpus I. A obra ainda conta com as participações de Gentil Alves Pereira Filho, Washington Luiz da Silva Vieira e Frederico Gustavo Rodrigues França. O Lançamento será no Centro de Cultura Zarinha, na Avenida Nego, 140, Tambaú às 19h, em João Pessoa.

O livro aborda a ofiofauna das áreas de Floresta Atlântica e Caatinga do Estado, trazendo informações sobre ecologia, distribuição, taxonomia e conservação das serpentes da área. São abordadas 63 espécies de serpentes registradas em vários pontos da Floresta Atlântica e Caatinga. A obra ainda conta com mais de 200 fotografias coloridas das espécies e dos ambientes onde ocorrem. Para cada espécie abordada são fornecidos desenhos da região cefálica em vista dorsal e lateral, folidose de vários exemplares e informações sobre história natural e distribuição.

Ainda de acordo com os autores, para muitas espécies as variações individuais e ontogenéticas em relação a coloração são fornecidas em detalhes, para que o leitor possa compreender melhor o quão variável este grupo pode ser. A composição faunística também é discutida levando em consideração as demais porções da Floresta Atlântica e Caatinga, dessa forma, dando ao leitor uma visão geral da fauna de serpentes abordada.

Outros aspectos abordados no livro apontam para o isolamento das populações em pequenos fragmentos, destruição de habitat, caça, matança indiscriminada, além de conflitos e usos, são discutidos visando o melhor entendimento de tão singular grupo zoológico. Para mais informações sobre “Serpentes da Paraíba: diversidade e conservação”, os interessados podem acessar a página no Facebook da obra através do link https://www.facebook.com/GentilSerpentesPB.

 

Texto: Givaldo Cavalcanti