Palestra sobre lei da inovação marca o início do 3º Encontro Nacional de Educação, Ciência e Tecnologia

26 de março de 2018

Com número recorde de participantes, foi aberto na manhã desta segunda-feira (26) e se estende até a próxima quarta-feira (28), o 3º Encontro Nacional de Educação, Ciência e Tecnologia (ENECT) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). O evento, promovido pelo Centro de Ciências e Tecnologia (CCT), tem como tema “Inovação Científica ao Alcance de Todos”. Este ano mais de 1.100 estudantes dos cursos de Física, Química Industrial, Licenciatura em Química, Estatística, Matemática, Engenharia Sanitária e Ambiental e Computação, que compõem o Centro, estão participando do encontro que também reúne professores e pesquisadores de diversas instituições de ensino superior e institutos federais do Nordeste.

Durante três dias de realização, o ENECT fará um profundo debate em torno da ciência aplicada e da tecnologia sustentável, por meio de exposição de trabalhos, palestras, minicursos, oficinas, tutoriais, sessões de pôsteres e comunicações orais. A solenidade de abertura, realizada no Auditório do Departamento de Psicologia, no Câmpus de Bodocongó, contou com a presença do reitor Rangel Junior; do diretor do CCT, professor Edvaldo de Oliveira Alves; da presidente da comissão do evento, professora Márcia Ramos Luiz; da pró-reitora Estudantil, Núbia Nascimento; do professor Ozás Jordão, que representou a Associação dos Docentes da Universidade Estadual da Paraíba (ADUEPB); e do acadêmico de Química Industrial, Franklin Rudson Gomes, que representou todos os estudantes do Centro.

O reitor Rangel Junior deu as boas vindas aos participantes e destacou a importância do evento para debater temas oportunos na área da ciência e tecnologia. Rangel enfatizou que a UEPB precisa gastar as melhores energias para tentar encontrar soluções para alguns dos problemas que afetam o país, a partir da discussão em torno da ciência e da produção do conhecimento. “É importante, em um evento como esse, refletirmos sobre o todo que nos circunda. Por isso considero importante abrir o evento com uma palestra sobre a implantação do marco legal de ciência e tecnologia, que é algo que há muitos anos o setor público enfrenta dificuldades burocráticas e um formalismo exagerado que trava a vida das instituições”, observou.

Edvaldo de Oliveira, diretor do CCT, enfatizou que o ENECT cresceu bastante nos últimos anos e envolve cada vez mais a comunidade acadêmica que compõe o Centro. Edvaldo, mais conhecido como Mará, destacou que o evento é um dos poucos no Brasil com a característica de reunir, em um mesmo espaço, estudantes de todas as áreas no campo da ciência e tecnologia. O professor ressaltou que o Encontro foi criado para atender a uma demanda do CCT, principalmente para possibilitar aos estudantes do Centro ter acesso a importantes debates sem precisar ter que se deslocar para outras universidades do país. Sobre o tema central do evento, o professor destacou que a inovação e tecnologia precisam estar ao alcance de todos, principalmente neste milênio marcado por tantos problemas em todos os aspectos.

Presidente da comissão organizadora do evento, a professora Márcia Ramos Luiz destacou o nível dos trabalhos científicos a serem apresentados durante os três dias do encontro. Ela também ressaltou que o evento se transformará em um importante espaço para a divulgação do trabalho dos estudantes para todo o Brasil. “Este encontro é de grande importância acadêmica por ser considerado multidisciplinar. A nossa região é carente de eventos científicos deste porte”, salientou.

A palestra de abertura intitulada “A Lei da Inovação” foi ministrada pelo professor Cláudio Benedito Silva Furtado, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). O especialista fez um relato da luta da comunidade acadêmica nas últimas três décadas pela criação de uma lei que reduzisse a burocracia e permitisse um avanço das pesquisas científicas nas instituições de ensino superior. Ele enfatizou que as instituições e entidades acadêmicas travaram uma grande luta para tentar mudar as leis que regulamentam a questão da ciência e tecnologia.

A Lei Nº 13.243, de 11 de janeiro 2016, representou um avanço, pois tornou a pesquisa científica menos sensível a burocracia e menos vulnerável aos obstáculos legais das leis. “A ideia dessa lei é modificar o marco legal. Esse marco tem como princípios a promoção das atividades científicas e tecnológicas como estratégias para o desenvolvimento econômico e social; a redução das desigualdades regionais; promoção da cooperação e interação entre os entes públicos, entre os setores público e privado e entre empresas; promoção e continuidade dos processos de desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação; entre outros.

Em sua 3ª edição, o ENECT conta com a realização de 13 Tutorias, 12 oficinas, 43 minicursos, 46 palestras, bem como a apresentação de 78 trabalhos de forma oral e 106 trabalhos expostos em forma de posteres, no hall do CCT. Todos os trabalhos serão publicados como capítulo de livro pelo Instituto Bioeducação. As atividades serão realizadas em diversas salas de aula do CCT.

O evento nasceu em 1998 com o nome de Semana Pedagógica Cientifica e Tecnológica, sendo que a partir de 2012, ganhou novo formado, passando a se chamar ENECT, e sendo realizado há cada três anos. Em 2015, foram mais de 800 inscritos, marca superada na edição deste ano. Realizado no CCT, o evento tem como meta romper as fronteiras locais, pois também conta com a participação de estudantes, professores, pesquisadores e profissionais da educação básica de instituições de ensino da Paraíba e de vários outros estados.

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: Giuliana Rodrigues