Minicursos dão início às atividades do Congresso Nacional de Fisioterapia na Saúde da Mulher e do Homem

24 de outubro de 2019

O 1º Congresso Nacional de Fisioterapia na Saúde da Mulher e do Homem, realizado pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), através do Departamento de Fisioterapia da Instituição, iniciou suas atividades na manhã desta quinta-feira (24), no Câmpus de Bodocongó, em Campina Grande, com a realização de três minicursos para os participantes. As discussões seguiram a proposta do evento, que aborda a aplicação da Fisioterapia em pelviperineologia, e transitaram tanto pela parte teórica dos conceitos, como também as aplicações práticas em pacientes.

Os minicursos oferecidos no período da manhã foram: “Fisioterapia nas disfunções anorretais”, com a doutora Iane Castro (MA), “Linfedema no câncer de mama: da evidência à prática clínica”, ministrado pela doutora Juliana Lenzi (SP), e “Ginástica hipopressiva”, com o doutor Jorge Vierira (Uruguai). A participação de profissionais de outros estados e até de fora do Brasil foi destacada pela coordenadora do evento, professora Socorro Barbosa, que apontou o pioneirismo da UEPB na realização de encontros dessa natureza.

“A UEPB foi pioneira na realização de eventos como esse. Começamos com o Encontro Nordestino de Saúde da Mulher, depois também foi criado o de Saúde do Homem e, agora, recebemos a missão de sediar o Congresso Nacional devido a audácia que a Instituição sempre teve em promover esses debates. Temos professores que pesquisam nessas áreas, além do nosso trabalho na Clínica Escola de Fisioterapia, que atende a parte de ginecologia, obstetrícia, urologia, oncologia e sexualidade, que concentram questões importantes que estão sendo abordadas no evento”, enfatizou professora Socorro.

Uma das ministrantes de minicurso, Iane Castro apontou que é preciso pensar em áreas que acabam não tendo muita atenção por parte dos estudantes durante a graduação, para que as pesquisas e as atuações profissionais seja cada vez mais aprofundadas para a ampliação do campo da Fisioterapia. Ela ainda pontuou a importância desse evento para a interação entre profissionais, com o intuito de debater conceitos, propagar informações e novos estudos que estão sendo realizados na área.

“É importante que a gente divulgue cada vez mais as disfunções anorretais, por exemplo, que ficam tão escondidas. A gente fala muito em assoalho pélvico, das atividades físicas em relação a essa musculatura e também na questão urinária, que acaba que a parte evacuatória fica esquecida. Então, a Fisioterapia tem a sua importância na reabilitação dessas disfunções anorretais. A população brasileira está envelhecendo e, com isso, começamos a ter essa queixa de disfunções. Então, é fundamental o trabalho da reabilitação pélvica para a melhoria da qualidade de vida das pessoas”, destacou a fisioterapeuta.

Após a realização dessas atividades no período da manhã, o evento seguiu à tarde, novamente no Departamento de Fisioterapia, com os minicursos “Fisioterapia no Tratamento da Disfunção Sexual”, com Beth Shelly (USA), “Terapia miofascial na dor pélvica crônica masculina”, ministrado por Mauro Barbosa (SP), e “Atuação da Fisioterapia no parto humanizado”, com Alessandra Boaviagem (PE). À noite, no Teatro Facisa, acontece a abertura oficial do 1º Congresso Nacional de Fisioterapia na Saúde da Mulher e do Homem.

Texto: Givaldo Cavalcanti
Fotos: Givaldo Cavalcanti e Tatiana Brandão