Laboratório de Análises Clínicas da UEPB realiza 74 tipos de exames e busca ampliar atendimento à comunidade

7 de abril de 2016

lac1

Com o Certificado de Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade do Programa Nacional de Controle de Qualidade (PNCQ) da Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC), o Laboratório de Análises Clínicas (LAC) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) tem procurado ampliar os exames realizados gratuitamente a população de Campina Grande e região circunvizinha.

Instalado no prédio das Três Marias, no Centro de Ciência Biológicas e da Saúde (CCBS) do Câmpus de Bodocongó, o LAC tem se destacado pela forma rápida com que realiza e entrega o resultado dos exames, eliminando a burocracia do serviço público. O alto padrão de confiabilidade é uma das marcas do Laboratório, que realiza 74 tipos de exames hematológicos e bioquímicos a exemplo de hemograma,  plaquetas, toda a parte de hemocultura, microbiologia e as enzimas.

Entre a lista de exames realizados pela estrutura e tecnologia da UEPB, destaques para os de Hematologia, Imunohematologia, Bioquímica, Microbiologia, Imunologia, Espermograma, Parasitologia, Uroanálise, Micologia, Colesterol, Glicemia, Leucograma, Hemograma completo, Cultura de fezes e urinas. O Laboratório de Análises Clínicas tem capacidade para realizar mais de 35 mil exames por ano e a equipe responsável pelo setor tem empreendido esforços para que ele alcance a sua capacidade máxima de atendimento.

Em média, entre 20 e 30 pessoas são atendidas por dia. O processo começa com a coleta do sangue, seguido do processamento da amostra, realização do exame, digitação, conferência e liberação no sistema. A aposentada Margarida da Silva Vieira e o agricultor José Freire de Almeida conheceram a estrutura do LAC e ficaram impressionados com a agilidade com que seus exames foram feitos. Eles chegaram no Laboratório por volta das 7h30 de uma terça-feira e minutos depois já estavam colhendo o sangue. Tiveram um prazo de 48 horas para pegar o resultado. “Aqui é tudo muito rápido e o atendimento é de primeira”, disse Margarida da Silva.

lac2

A meta traçada pela coordenadora Eliana Maia e equipe é atingir os 4.500 procedimentos por mês, recebendo pacientes encaminhados pelas Clínicas Escolas da UEPB, pela Secretaria de Saúde de Campina Grande, através da Central de Marcação, e da própria comunidade universitária.

Para ter acesso ao LAC, os usuários precisam passar por atendimento médico nas Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSF) e, posteriormente, a requisição de exames laboratoriais é autorizada por profissionais destas unidades na Central de Marcação da Secretaria de Saúde que, por sua vez, faz o encaminhamento dos pacientes aos locais credenciados. Todo o processo entre atendimento e entrega do resultado duram dois dias. Em casos de urgência o resultado sai no mesmo dia. “Se o paciente chega hoje, faz o encaminhamento para ele fazer o exame. O paciente é atendido rápido e o resultado também é feito com agilidade”, enfatiza a coordenadora do Laboratório, professora Eliana Maia.

A rapidez na entrega dos exames é possível graças a um moderno sistema desenvolvido pela Coordenadoria de Tecnologia da Informação (CTIC) da UEPB. O sistema facilita o trabalho dos profissionais do laboratório, que podem emitir laudos de forma rápida e segura, inclusive nos casos onde se necessita do resultado no mesmo dia. “Quando o bioquímico faz o exame, ele é digitado, conferido e lançado no sistema”, explica Eliana.

Apesar de todas essas facilidades, ainda sobram vagas para exames, uma vez que o número de pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) destinados ao LAC não preenche o total de procedimentos oferecidos. Para evitar o sub aproveitamento de uma estrutura criada para auxiliar na melhoria da saúde da população, ajudando no diagnóstico de doenças, tais como anemias, diabetes e infecções, a coordenação do LAC faz um apelo a Secretaria de Saúde para que encaminhe mais pacientes das redondezas próximas do Câmpus da UEPB ao setor.

Por sua localização geográfica, o Laboratório pode atender as comunidades São Januário, Araxá, Monte Santo, Ramadinha e Jeremias. Os pacientes dessas localidades também têm a opção de marcar o exame direto no LAC, desde que apresente uma requisição do posto de saúde. A coordenadora orienta para que a própria população atendida pelo Serviço Municipal de Saúde solicite que a realização de seus exames seja encaminhada para o LAC, desafogando assim a própria estrutura de atendimento em saúde do município.

“A procura tem aumentado nos últimos meses, mas a Secretaria de Saúde ainda precisa encaminhar mais pacientes da redondeza para aproveitar a estrutura oferecida gratuitamente pela UEPB”, frisa professora Eliana Maia, acrescentando que grande parte dos pacientes que chega ao LAC ainda é encaminhada pelas clínicas escolas da UEPB, mas o ideal é que a demanda seja preenchida pela comunidade em geral.

A estrutura do LAC é composta por quatro laboratórios básicos de microbiologia, hematologia, bioquímica e parasitologia, além de uma sala de esterilização e sala de coleta. Além de realizar exames, esses laboratórios também são usados pelos alunos de Farmácia que fazem estágios na parte prática do curso. O LAC conta com dois bioquímicos, cinco técnicos e três auxiliares. “A nossa estrutura não deixa nada a desejar com relação a muitos laboratórios particulares”, frisa a biomédica Niedja Elei.

Texto: Severino Lopes
Fotos: Franklin Bonfim