“Forró Fisio” marca encerramento das atividades do semestre na Clínica Escola de Fisioterapia da UEPB

21 de junho de 2018

Já virou tradição. Não apenas por valorizar a cultura nordestina, destacando a música, a dança, a culinária, mas a confraternização entre alunos, professores e pacientes foi celebrada mais uma vez na realização do “Forró Fisio”, atividade que marcou o encerramento do semestre letivo na Clínica Escola de Fisioterapia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Todos os envolvidos se reuniram na tarde desta quarta-feira (20), no hall da Clínica, local que recebeu apresentações dos pacientes, casamento matuto, brincadeiras, correio elegante, além da quadrilha junina.

De acordo com a professora Maria de Lourdes Oliveira, coordenadora da Clínica Escola de Fisioterapia, este momento é muito importante por fortalecer a integração, que é promovida ao longo do semestre entre alunos, professores e pacientes. Ela ressaltou a extensão dos serviços que são oferecidos na clínica, pelo grande número de projetos e a possibilidade de oferecer melhor qualidade de vida tanto para quem é usuário do local, como também na formação dos alunos.

“Conseguimos envolver cerca de 700 pessoas, sendo 400 pacientes e 300 alunos. Temos diversos projetos de extensão que têm o objetivo de qualificar a formação dos nossos alunos, bem como oferecer um serviço de excelência para a população. E esse momento de festa serve para terminar um semestre em alto astral, para que, por um instante, eles se desliguem do ambiente de doença, da vivência de superação que eles precisam ter. Eles vivenciam muito isso, por isso que sempre ao final de cada semestre há essa confraternização”, disse a professora Lourdinha.

Paciente da clínica, a dona de casa Risadalva da Silva, 50 anos, está há menos de dois meses em tratamento no local, mas já aponta as melhorias na sua saúde. Segundo ela, que recebe tratamento em um das turmas de climatério, os exercícios e o convívio no local estão sendo muito importantes para a melhoria de sua saúde. “Eu estava passando por um período de forte stress, problemas na cabeça, fui diagnosticada com depressão e quando vim para cá, em pouco tempo, eu melhorei bastante. Hoje estou equilibrada e devo isso muito aos cuidados que, não só eu, mas todos os pacientes recebem na clínica”, afirmou.

E como toda festa junina, o forró não poderia ficar de fora. Além da apresentação dos professores e músicos do Centro de Artístico Cultural da UEPB, pacientes também se apresentaram com danças típicas regionais. Foram apresentadas danças como xote, forró da peneira, além de um casamento matuto encenado por professores do Departamento de Fisioterapia. Também foram feitos agradecimentos as professoras que estão de saída do curso, bem como uma homenagem a professora Lourdinha, que está encerrando suas atividades profissionais na Instituição.

Em 40 anos de vivência na UEPB, professora Lourdinha sempre foi vista como exemplo de profissional, por sua dedicação, conhecimento e assistência à comunidade acadêmica e usuários da clínica. A aluna Micaele Farias, do 9º período do curso, afirmou que esta homenagem foi apenas um gesto simples, mas de bastante significado por tudo que a docente representa. “Se os alunos saem daqui como profissionais qualificados e, principalmente, seres humanos melhores, muito disso se dá por conta da dedicação da professora Lourdinha. Ela nos ajuda em tudo, seja com seu conhecimento, suas palavras amigas e atenção aos pacientes”, contou.

Bastante emocionada, a professora assistiu a um vídeo preparado pelos alunos que continha momentos de atuação dela em sala de aula, além de depoimentos dos pacientes da Clínica Escola. Ela ainda recebeu flores e foi abraçada por vários alunos e usuários da clínica. “Não tenho nem palavras para traduzir o que sinto nesse momento. Passei seis anos me preparando para me aposentar, lutei comigo mesma para enfrentar esse instante, mas tudo tem sua hora. Sou muito grata por tudo que vivi nesse Departamento. Vi esse curso nascer, crescer e se transformar no que ele é hoje. Desejo tudo de bom e que todos nós sejamos muito felizes”, disse a professora Lourdinha.

 

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti