Estudo propõe criação de políticas de sustentabilidade e marketing em instituições públicas e privadas

27 de março de 2017

Um projeto desenvolvido pelo professor do Departamento de Administração e Economia do Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), José Austerliano Rodrigues, resultou na criação de um novo modelo de noção de cidadania ecológica como norte para o desenho e criação de políticas de sustentabilidade e marketing em instituições públicas e privadas.

Intitulado “Marketing Ecológico e Cidadania Ecológica: práticas compatíveis”, o projeto consiste em integrar elementos do marketing (marketing verde, ecomarketing e marketing ecológico) com o conceito de cidadania ecológica, visando a construção de um modelo que contribua para o consumo sustentável, comprometido com a cidadania ecológica e com a sustentabilidade, com impactos positivos para a sociedade em geral, o que inclui impactos positivos no território, favorecendo assim o meio ambiente.

Sob a orientação da professora Cláudia Ribeiro Pfeiffer, do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPPUR/UFRJ), o projeto foi desenvolvido em três indústrias campinenses com o intuito de implementar novos elementos no modelo de sustentabilidade de marketing ou marketing sustentável. O estudo contempla tanto o setor privado como o público e faz parte da tese de doutorado do professor Austerliano, que leciona as disciplinas Marketing Ecológico e Consumo Sustentável e Marketing Social, na UEPB.

Austerliano Rodrigues explica que no tripé da sustentabilidade estão contidos apenas os aspectos econômicos, ambientais e sociais. Além desses três aspectos, que devem interagir entre si, o professor desenvolveu um novo modelo com mais duas variáveis que foram a cidadania ecológica e a tecnologia de informação. A iniciativa, inédita na América Latina, mostrou que essas duas variáveis ainda não são práticas compatíveis nas indústrias, visto que o marketing ecológico ainda está mais voltado para as questões ambientais e econômicas e precisaria enveredar pelo marketing sustentável que, além dessas práticas, contempla a questão da cidadania ecológica e a tecnologia da informação.

A pesquisa fornece uma base para entender melhor a Sustentabilidade de Marketing na administração pública, gestão de negócios e diferentes culturas, além de, sobretudo, para o desenvolvimento de construções normativas de gestão e métricas de desempenho nos setores público e privado em busca de um desenvolvimento sustentável. Como resultados principais são apresentados um modelo de sustentabilidade de marketing e os obstáculos a serem superados para sua adoção em instituições. A tese defendida no trabalho quis saber inicialmente se é possível um modelo de marketing que integra seus elementos com o conceito de cidadania ecológica.

Ao término do trabalho, o professor concluiu que é possível um modelo de marketing que contribua para atacar desigualdades ambientais e reduzir a vulnerabilidade social de grupos comunitários e aumento dos recursos políticos e sociais (benefícios comunitários). Quanto às possibilidades de sua adoção pelas instituições, o professor frisa que permanecem muitas dúvidas, visto que ainda há um longo caminho a percorrer.

Uma empresa campinense que opera em mais de 80 países se interessou pelo modelo criado pelo professor da UEPB e hoje está avançando na implementação de políticas e ações na área de segurança, saúde e meio ambiente. Os dados do estudo do professor José Austerliano Rodrigues serão apresentados no dia 17 de abril, no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Texto: Severino Lopes