Escola Agrícola realiza ação de peixamento e distribuição de alevinos para agricultores do Brejo paraibano

31 de outubro de 2017

A Escola Agrícola Assis Chateaubriand (EAAC), instalada no Centro de Ciências Agrárias e Ambientais (CCAA) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), em Lagoa Seca, promoveu no último dia 27 de outubro o peixamento do açude da Instituição e a distribuição de alevinos de tilápia com os produtores rurais da região. A ação foi realizada durante a Mostra Pedagógica Agrotec 2017, em parceria com a Empresa Paraibana de Abastecimento e Serviços Agrícolas (Empasa).

De acordo com o diretor da Escola Agrícola, professor José Félix, o peixamento consiste na colocação de peixes no meio aquático e o consequente povoamento de açudes, cacimbas, poços e tanques com alevinos. Para isso, a Empasa fez a doação de mais de dois mil alevinos com o objetivo de proporcionar a criação de peixes para as aulas práticas de filetagem (processamento para produção de filés) e produção de polpa de peixe no curso técnico em Agroindústria, assim como atender a demanda do refeitório.

Na ocasião, os agricultores que prestigiaram a Agrotec e comprovaram que tinham açude ou barreiro para criação dos peixes também receberam os alevinos. Esta ação da EAAC cumpre um papel social e econômico junto aos agricultores da região de Lagoa Seca. Professor Félix lembrou que 2016 foi um ano de crise hídrica severa, no qual o açude secou e os servidores tiveram que fazer uma grande limpeza na área. Com as chuvas, desde maio deste ano vem ocorrendo um acúmulo satisfatório de água, bem como a possibilidade de desenvolvimento das atividades em piscicultura.

“As tilápias são espécies bem adaptadas à região, têm boa produtividade, são resistentes a muitas doenças e a Empasa possui grande quantidade para distribuição”, acrescentou José Félix, justificando que dentro de seis a oito meses, a UEPB pretende receber uma nova remessa de peixes, para manutenção do peixamento no açude e nova distribuição entre a população.

Polpa de peixe

Demonstrando preocupação com a utilização integral dos peixes pela Agroindústria do Câmpus II, após o filetamento das tilápias, toda a parte que seria descartada, como cabeça, carcaça e vísceras, passará por equipamentos específicos e será transformado em um alimento processado, a “polpa de peixe”, que detém propriedades funcionais e poderá ser preparada de diversas maneiras. A iniciativa permite um melhor aproveitamento do pescado, diminuindo o desperdício, e gera um novo produto a ser fornecido no refeitório da Instituição e, quem sabe futuramente, possa ser comercializado pelo mercado.

 

Texto: Giuliana Rodrigues