Colóquio de Letras da UEPB discute formas de envolver alunos em atividades de Estágio Supervisionado

21 de março de 2017

Com a presença de estudantes, professores e orientadores, começou nesta terça-feira (21) e prossegue até amanhã (22), o 1º Colóquio de Estágio Supervisionado do Curso de Letras (Português) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). O evento, que traz a temática “Identidade, Ensino e Pesquisa” e conta com o apoio do Centro de Educação (CEDUC), está sendo realizado no Auditório II da Central de Integração Acadêmica, no Câmpus de Bodocongó. Em sua 1ª edição, o Colóquio reúne professores da UEPB, da Universidade Federal de Campina Grande ((UFCG) e da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

A solenidade de abertura foi conduzida pela coordenadora do curso de Letras, Iara Francisca Araújo Cavalcanti, e contou com a presença da coordenadora adjunta do Curso, Dalva Lobão Assis; da chefe do Departamento do Curso de Letras e Artes, professora Amasile Coelho da Costa Sousa; além das professoras de Letras, Alfredina do Rosa Oliveira e Tatiana Fernandes Sant’ana. Palestras, mesas redondas, apresentação de trabalhos e pesquisas de estudantes movimentam o Colóquio.

Professora Iara destacou a importância do estágio supervisionado na formação dos cursos de licenciatura. A intenção do evento, segundo ela, é abrir um fórum permanente de discussão sobre os avanços e desafios a serem enfrentados pelos estudantes nos estágios, quando eles forem para as escolas assumir a responsabilidade de professores. Ela observou que a construção da identidade do profissional começa na formação inicial. “Defendemos o estágio como um componente curricular que precisa ser acompanhado e mais assistido pelo professor formador. É uma autonomia que o professor em formação inicial está construindo”, disse.

Coordenadora adjunta do curso de Letras, a professora Dalva Lobão disse que a UEPB, por meio do CEDUC, está dando a oportunidade de a comunidade acadêmica fazer todas as reflexões em torno dos desafios e avanços do estágio supervisionado. Responsável pela palestra de abertura, a professora Laura Dourado Regis, da Unidade Acadêmica de Letras da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), fez uma abordagem em torno do tema “Uso do Software Educativo para Análise Linguística no Ensino Médio”.

Em sua explanação, a professora disse que a questão do estágio é fundamental porque as pesquisas mostram que não é a tecnologia e a infraestrutura que faz a diferença e torna do futuro professor um bom profissional. Segundo ela, a tecnologia é apenas uma ferramenta complementar, mas o que torna o aluno um bom profissional é justamente a formação teórica e metodológica. “Não é a tecnologia que faz a diferença do professor. A prática do estágio é que faz toda a diferença na docência do aluno”, afirmou. Ela aproveitou o momento para compartilhar os resultados de sua pesquisa de Doutorado, onde tentou conciliar o uso da tecnologia com a análise linguística.

Durante o Colóquio a ex-aluna de Letras da UEPB, Mirelle Araújo, apesentou uma reflexão sobre a sua pesquisa de mestrado que teve como foco o campo de estágio supervisionado. Em sua pesquisa, ela apresentou uma produção textual de outras áreas do conhecimento, adaptadas para a área de Letras. “Esse gerido textual proporciona a discussão de teoria e prática que é um velho dilema na formação dos professores”, destacou.

O evento prossegue a noite, com a palestra a ser ministrada pela professora Denise Lino de Araújo, da UFCG. Ela vai abordar o tema “Projeto de ensino, como se faz a experiência do Enem na Palma da Mão”. Depois haverá apresentação de pesquisas realizadas por estudantes em período de estágio que tiveram como culminância a defesa de teses e dissertações.

 

Texto: Severino Lopes
Fotos: Franklin Bonfim