Cerimônia do Jaleco marca início das atividades práticas dos alunos de Fisioterapia na Clínica Escola da UEPB

22 de março de 2019

Uma das caraterísticas de quem escolhe atuar na área da Saúde, o uso da roupa branca carrega um forte simbolismo na vida profissional daqueles que cuidam da vida de outras pessoas. E um dos objetos mais marcantes desse processo, o jaleco, identifica elementos importantes também na carreira de formação de estudantes. Para celebrar o início de uma nova fase acadêmica dos alunos do Curso de Fisioterapia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), foi realizada na tarde de quinta-feira (21), no Auditório do Curso, a Cerimônia do Jaleco, que marca o início das atividades práticas dos estudantes na Clínica Escola da Instituição.

Pioneiros na realização de um ato desse tipo no Curso de Fisioterapia, os 32 estudantes da turma 2019.1 começarão, a partir de segunda-feira (25), a participar das aulas práticas, atividades específicas com os pacientes tratados na Clínica e, ainda, de projetos de extensão que oferecem serviços de melhoramento da saúde de pessoas acometidas por problemas funcionais e motores. De acordo com a professora Giselda Félix, chefe do Departamento de Fisioterapia da UEPB, este é um momento muito importante para todos os alunos que, a partir de então, ingressam em um novo patamar do curso.

“O jaleco é símbolo da atuação na área da Saúde e sintetiza todos os ideais da Fisioterapia, como a pureza dos atos, a organização, a eficiência e a transparência no atendimento do outro. Nessa cerimônia vocês estão assumindo um compromisso com sua formação, com seus sonhos, ao lado de familiares, professores e profissionais da UEPB. Desejo sucesso a todos, muita luz para que vocês sigam em frente e que esse amor pela Fisioterapia só seja fortalecido”, desejou a professora Giselda.

Satisfeito com as novas atividades que estão por vir, além de cheio de expectativas, o estudante Humberto Filho não escondia o entusiasmo em começar a atuar na Clínica Escola. Acompanhado do pai na cerimônia que marcou a vestimenta do jaleco pela primeira vez, ele disse querer colocar em prática o que vem aprendendo em sala de aula. “Esse momento é muito importante porque vamos começar a colocar em prática as teorias que aprendemos nas aulas. Além, também, de ter o contato com os pacientes e ter um aprendizado mais completo”, destacou o estudante.

O coordenador da Clínica Escola de Fisioterapia, professor Ciro Franco, lembrou da responsabilidade que esses alunos terão a partir de agora por vestirem o jaleco. Ele destacou a função instrumental que a peça tem, por possibilitar a proteção de quem usa, e ainda o cuidado que todos devem ter ao manuseá-lo. “O jaleco serve para proteger de cortes, perfurações, de transmissão de bactérias, uma vez que ele é um EPI (Equipamento de Proteção Individual), mas, também acarreta em uma grande responsabilidade. Existe um símbolo ali, um status, mas é sempre bom vocês lembrarem que o que importa é o que está por dentro do jaleco, e não somente a estampa”, disse.

A pró-reitora Estudantil da UEPB, professora Núbia Nascimento, também participou da cerimônia e não poupou entusiasmo aos estudantes. Segundo ela, a profissão que eles escolheram tem a marca de cuidar do próximo e que todos façam isso sem alimentar o sentimento da vaidade. “Espero que todos aqui vistam o jaleco para sua proteção e para cuidar dos outros. Não vistam por vaidade. A vaidade coloca em risco aqueles que estão perante vocês precisando de cuidado. Sintam-se orgulhosos, mas para proteger os nossos semelhantes”, aconselhou a pró-reitora.

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti