Cerimônia do Jaleco e roda de conversa marcam início das atividades do Curso de Odontologia no ano

27 de março de 2019

A manhã desta quarta-feira (27) foi diferente para os estudantes do Curso de Odontologia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Alunos de todos os períodos se reuniram na Quinta da Colina, no bairro do Catolé, para participarem do evento que marcou o início das atividades acadêmica do curso. Além das boas vindas aos feras, foi realizada pela primeira vez a Cerimônia do Jaleco para os estudantes do 4º período, que passam a atuar na Clínica escola, além de uma roda de conversa com professores e profissionais da área de Odonto que comentaram sobre os vários caminhos da profissão e responderam perguntas dos alunos.

Professora Nádja Oliveira, chefe do Departamento de Odontologia da UEPB, explicou o motivo de reunir alunos de todos os períodos para um momento como esse, desde os que estão iniciando a caminhada na Universidade ou os que darão início a uma nova fase do curso, bem como os que estão próximos de concluírem os estudos. “Temos trabalhado muito para melhorar a estrutura do curso. Desde a parte física, no melhoramento das salas, dos laboratórios, da Clínica Escola, enfim. Quero que todos estejam bem motivados, independente do momento que estejam vivendo, já que há sempre muito a aprender”, disse.

No início da cerimônia os alunos do 1º período foram apresentados, receberam um livro em branco como símbolo para que possam escrever suas novas histórias e escutaram dos professores palavras de incentivo para esse caminho recém-iniciado. Entretanto, um dos momentos mais emocionantes foi a Cerimônia do Jaleco, instante em que os estudantes escolheram um professor para que este vestisse no discente seu mais novo instrumento de trabalho pedagógico, a ser usado durante as atividades de práticas laboratoriais e na Clínica Escola.

Após todos vestirem o jaleco, os 24 alunos do 4º período de Odontologia prestaram juramento, confirmando suas intenções de esforço em busca da aprendizagem, disciplina pedagógica e cumprimento de suas tarefas sociais. A professora Ana Isabela Arruda, do Núcleo Docente Estruturante (NDE), apontou a importância desse momento para que todos os estudantes tenham consciência do novo passo que estão dando em sua formação. “Eles agora estão iniciando um outro estágio na sua formação e o uso do jaleco simboliza isso”, destacou.

Assim com é nas diversas áreas da Saúde, o jaleco usado em Odontologia é indicado como instrumento de segurança, tanto para o profissional como também para o paciente. Ele protege do contato com os aerosóis e respingos contaminados por fluídos corporais produzidos durante a atividade odontológica. A normativa da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) defende que a vestimenta deve ser de mangas longas, tecido claro e confortável, podendo ser de pano ou descartável, para os procedimentos que envolvam o atendimento a pacientes, e impermeável nos procedimentos de limpeza e desinfecção de artigos, equipamentos ou ambientes. Ele deve ser usado fechado durante todos os procedimentos.

Bastante emocionada com a cerimônia, a estudante Ariane Cabral acredita que a partir de agora começa efetivamente a realizar seu sonho, que sempre foi desenvolver a atividade de dentista. Segundo ela, as práticas nos laboratórios e na Clínica Escola complementarão o que veio aprendendo na teoria desde o início do curso. Ciente dos desafios que terá pela frent, Ariane não descarta nenhum escolha dentre as várias possibilidades profissionais que a Odontologia oferece.

“A partir de agora, como vamos conhecer muita coisa nova, pode ser que a gente mude alguma ideia que tem, mas o mais importante é estar aprendendo e se preparando para nossa atividade profissional. A área de Dentística me fascina muito, mas quero conhecer tudo para mais na frente pode decidir bem, seja seguir a área acadêmica ou de residência cirúrgica, ou ainda da clínica odontológica”, disse a jovem.

Durante a roda de conversa oferecida durante o evento, professores, profissionais e uma estudante falaram das suas práticas profissionais, além de responderem as dúvidas dos participantes. Ramón Targino, ex-aluno da UEPB, mestre pela Instituição e doutorando pela Universidade Federal de Mias Gerais (UFMG), abordou os aspectos que o levaram a atuar como docente, desde o gostar de realizar pequisa científica até os desafios da sala de aula.

O odontólogo Alfredo Neto também contou parte de sua trajetória como estudante de pós-graduação e pesquisador, bem como sua atuação na área de clínica privada. Ele respondeu questões sobre a necessidade do estudante de Odontologia precisar pensar como empreendedor para enfrentar as dificuldades que o mercado desse segmento tem. “É preciso que esses jovens desenvolvam capacidades para identificar o público-alvo deles, tenham noção de mercado e sejam empreendedores”, frisou.

As atividades realizadas nesta quarta contaram com a participação de vários professores do Departamento de Odontologia da UEPB, além do pró-reitor adjunto de Graduação da Instituição, professor Altamir Souto Dias. Ex-professores, pais e convidados também participaram desse momento que marcou o início das atividades pedagógicas do semestre 2019.1 do curso.

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti