Centro de Ciências Biológicas e Sociais Aplicadas promove palestra sobre convívio com diabetes

20 de setembro de 2017

“Viver com diabetes muito tempo e muito bem”, esse é o tema da palestra promovida pelo Bacharelado em Ciências Biológicas do Câmpus V da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), em João Pessoa, nesta sexta-feira (22), às 9h30, no auditório do Centro de Ciências Biológicas e Sociais Aplicadas (CCBSA), localizada à Rua Horácio Trajano de Oliveira, S/N, Cristo, com a participação da PhD em Ciências da Saúde da Universidade de Brasília (UnB), Jane Dullius.

A palestrante, que convive com a diabetes há 46 anos, é autora do livro “Diabetes Mellitus” e coordenadora do programa “Doce Desafio” da UnB, prestando atendimento desde 2001 a mais de 20 mil pessoas com diabetes, além de capacitar profissionais para a área. Jane Dullius é membro da Sociedade Brasileira de Diabetes, da Asociación Latino Americana de Diabetes, da American Association of Diabetes Educators e de outras entidades. Já ministrou palestras em Havana, Bogotá, Dubai, Las Vegas, Philadelphia, Santiago e outros países prestando esclarecimentos sobre diabetes. Atualmente a pesquisadora faz parte de um grupo de pesquisas que desenvolve uma bomba de insulina de fabricação nacional.

“Tenho diagnóstico de diabetes tipo 1 desde 1971, há 46 anos, ainda não tenho complicações, e espero não ter. Fui atleta e bailarina, sou mãe e avó. Faço contagem de carboidratos e ajuste de insulina há 33 anos, desde quando fiquei grávida. Desde então tenho me dedicado a estudar essa condição e desenvolver uma formação múltipla específica, buscando agregar esse conhecimento à minha experiência como técnica em alimentos e educadora física. Novas tecnologias, como os sensores de glicemia, e uma revisão nos conhecimentos demonstram que, com informação e acesso aos insumos, a vida com diabetes pode ser muito longa e com qualidade. Dois aspectos fundamentais nisso são a prática de atividades físicas regularmente e técnicas para uma alimentação mais saudável, como a contagem de carboidratos, essencial para manter equilibrada a glicose no sangue. Além de precisar cuidar do emocional, afinal a vida não precisa ser amarga só porque o diabético é doce”, declarou Dullius.

Durante a palestra, que é gratuita e aberta à comunidade, serão abordadas questões relacionadas à alimentação, atividades físicas, insulina e controle glicêmico. Além de estudantes, professores e pesquisadores de Ciências Biológicas e da área de Saúde, o evento é voltado para pessoas com diagnóstico de diabetes, familiares e demais interessados na temática.

Para a técnica administrativa da UEPB, Amanda Lucena, que convive com a diabetes há 24 anos e é a responsável pela organização do evento, a palestra será uma oportunidade de aprofundar o conhecimento e quebrar paradigmas relacionados à doença. “Com o tempo, desde que fui diagnostica, aprendi a conhecer meu metabolismo, os efeitos dos alimentos na minha glicemia, dosar minha insulina. E posso dizer que me sinto realizada em poder ter uma vida normal com diabetes”, declarou.

Segundo dados da pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada pelo Ministério da Saúde em abril de 2017, o número de brasileiros diagnosticados com diabetes cresceu 61,8% nos últimos 10 anos, passando de 5,5% da população em 2006, para 8,9% em 2016.

 

Texto: Juliana Marques