Campanha do Departamento de Fisioterapia da UEPB conscientiza população sobre Fibrose Cística

27 de setembro de 2018

Na última quarta-feira (25), alunos e professores do curso de Fisioterapia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), junto a Associação Paraibana de Pais e Pacientes com Fibrose Cística (ASPAFIC), promoveu a primeira ação social no Câmpus de Campina Grande, com o intuito de divulgar e conscientizar a comunidade acadêmica sobre a doença. A Associação tem como objetivo reunir familiares dos portadores de Fibrose Cística para discutir periodicamente sobre os aspectos dos tratamentos e também para a interação dos pacientes.

A professora da disciplina de Fisioterapia Pneumofuncional da UEPB, Ana Teresa Sales, explica que essa doença ainda é rara nas regiões Norte e Nordeste, por isso carece de assistência e tratamentos adequados. Ela lembra que o mês de setembro é conhecido como “Setembro Roxo”, pois é o mês de combate a Fibrose Cística, uma doença genética, possível de ser identificada desde a infância. Ela comenta também que o ideal é que os profissionais de diversas disciplinas, como psicólogos e nutricionistas, ajudem a tratar a doença. “Apesar de ser uma enfermidade prioritariamente de caráter respiratório, ela também mexe com todo o organismo”, completou a professora.

No Nordeste, a sobrevida dos pacientes de fibrose cística ainda é baixa. Embora sejam acompanhados por profissionais, ainda há falta de informação e até mesmo faltam especialistas de outras áreas. “No Sul do Brasil há uma estrutura melhor para estes pacientes, logo a sobrevida deles é maior”, explicou Ana Teresa. A Fisioterapia Pneumofuncional é um dos coadjuvantes no tratamento da reabilitação respiratória nesses casos. Em vista disso, a Universidade procura divulgar informações para envolver as pessoas da comunidade campinense e também dar suporte e fornecer serviços aos pacientes.

Lucas Antônio, aluno do 6º período de Fisioterapia e portador de Fibrose Cística, destacou a importância da campanha na comunidade acadêmica. Ele, cuja irmã também foi diagnosticada com a doença e veio a falecer ainda jovem, disse que é comum que os sintomas se confundam com os de pneumonia. “Por alguns profissionais não saberem o que é, acabam fazendo o tratamento inadequado, o que pode gerar complicações maiores ou levar o paciente a óbito. Então, acho que o ponto principal desta campanha é a divulgação da doença para todo mundo”, disse Lucas, que também acredita ser mais fácil o tratamento da doença em regiões como o Sul e Sudeste. “No Nordeste minha irmã teve muita dificuldade de conseguir o tratamento. Hoje em dia, percebo que é mais tranquilo, dá para conviver bem, mantendo os cuidados e os tratamentos adequados. Vivo normalmente como se não tivesse a doença, apenas a tosse constante que me incomoda”, explicou.

Marília Caroline, também estudante de Fisioterapia, destacou a importância da ação social na UEPB como forma de difundir a informação a todos os profissionais da área de Saúde. “Ela não afeta só o sistema respiratório, mas também outros sistemas do nosso organismo. Então é importante que os profissionais de Psicologia, Enfermagem, Educação Física e outras áreas tenham conhecimento acerca dessa doença, para que possam melhorar a qualidade de vida desses indivíduos”, afirmou.

Para mais informações sobre a fisioterapia no tratamento da Fibrose Cística, a Clínica Escola de Fisioterapia da UEPB está disponível através do telefone (83) 3315-3346 e localizada na Avenida das Baraúnas, 351, Câmpus Universitário, Bodocongó, Campina Grande. O horário de funcionamento é de segunda a sexta-feira, nos turnos de manhã e tarde.

Texto: Pryscilla Pontes (Estagiária)
Foto: Ana Teresa Sales