Assistência integral é tema da abertura do Congresso Nacional de Fisioterapia na Saúde da Mulher e do Homem

25 de outubro de 2019

A abertura oficial do 1º Congresso Nacional de Fisioterapia na Saúde da Mulher e do Homem, realizada na noite desta quinta-feira (24), no Teatro Facisa, em Campina Grande, também marcou o início de outros três eventos concomitantes: o 2º Congresso Internacional de Fisioterapia em Pelviperineologia (CONFIP), o 13º Encontro Nordestino de Fisioterapia na Saúde da Mulher (ENFISM) e o 5º Encontro Nordestino de Fisioterapia na Saúde do Homem (ENFISH). O início das discussões sobre o tema central “Assistência Integral à Saúde: discutindo percepções e ampliando o cuidado” ficou sob o olhar da professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Silvana Uchôa, que ministrou a palestra inaugural do evento.

Sob sua óptica, Silvana Uchôa dialogou sobre a ampliação do cuidado com a saúde a partir do aprimoramento de competências e habilidades no que diz respeito à saúde. Segundo ela, cultural e socialmente, o cuidado com a vida saudável ainda é compreendido como uma dimensão da mulher, que prioriza as diferentes vulnerabilidades expressas pelos segmentos sociais e seus processos de saúde e doença. Dessa forma, o sistema de saúde tem buscado trabalhar a atenção à saúde de forma igual, para que o homem também desenvolva o olhar preventivo em relação à prevenção.

“O que temos que buscar no serviço de atenção à saúde é a universalidade, integralidade e equidade. Vamos romper com o imaginário que reafirma o cuidado com o feminino, excluindo o masculino. Estudos mostram que a mortalidade masculina é maior, em todas as idades. Por isso temos que equiparar os serviços de saúde do homem com o que fazemos com a saúde da mulher, já que este último foi pensado há um tempo bem maior que o primeiro. Então, essa política de atenção à saúde do homem se propõe em qualificar esse setor para que possamos promover a prevenção e assistência à vida saudável masculina”, disse a professora.

Ao longo da palestra, Silvana também abordou assuntos relativos à Fisioterapia Pélvica Pediatra, falando sobre bexiga hiperativa, constipação intestinal, incontinência fecal e urinária. Ela ainda teceu observações em casos que envolvem a Fisioterapia Pélvica no pré, no parto e no pós-parto, além de tratar sobre conceitos importantes das disfunções urológicas/genecológicas da mulher e do homem, como incontinência, hipotonia e hipertonia.

A coordenadora dos eventos, professora Socorro Barbosa, apontou as contribuições que estão sendo oferecidas diante de tantos assuntos importantes e destacou a participação de todos para a ampliação dos debates.

“Estes eventos proporcionam a discussão de assuntos relevantes, com profissionais renomados e estudiosos da área. Nós esperamos que todos os congressistas e palestrantes aproveitem esse momento. Toda a programação foi pensada com o intuito de ampliar os conhecimentos e só foi possível realizá-la a partir de um trabalho coletivo. Estou certa de que os frutos colhidos serão fundamentais para a solidificação e ampliação da atuação fisioterapêutica da saúde da mulher e do homem”, destacou a professora Socorro Barbosa.

Ainda durante a aberta do Congresso Nacional de Fisioterapia, foi feita uma homenagem a Maria de Lourdes Fernandes, professora aposentada e ex-coordenadora da Clínica Escola de Fisioterapia da UEPB. Por seus longos anos de serviços prestados, não só à formação de centenas de profissionais da área, mas também ao atendimento à população usuária da Clínica, professora Lourdinha, como é conhecida, recebeu um troféu e um ramalhete de flores, que simbolizaram o sentimento de agradecimento de alunos, ex-alunos e professores do Departamento. Emocionada, ela agradeceu a lembrança e desejou que todos aproveitem ao máximo as atividades do evento. O Grupo de Tradições Populares Acauã da Serra foi o responsável por encerrar o primeiro dia de atividades do evento.

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti