Alunos e professores da Universidade Estadual participam de intercâmbio sobre cultura surda na França

1 de agosto de 2018

Um grupo formado por alunos e professores da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) foi convidado para participar de um intercâmbio sobre cultura surda na França. O convite foi feito pelo Programa Erasmus Mundus, um projeto de mobilidade criado e financiado pela União Europeia, que tem como objetivo promover a excelência da educação superior e da pesquisa dos países europeus e, ao mesmo tempo, reforçar os laços acadêmicos com países de todo o mundo.

Até o próximo dia 16 de agosto, dois professores do Centro de Educação (CEDUC) e três alunos de Graduação da UEPB estarão juntos a outros professores, alunos e intérprete da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) e da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) para uma série de atividades na cidade de Paris. Ao longo desses dias, serão realizados debates, troca de experiências e estudo sobre a Língua Brasileira de Sinais (Libras) e a Língua de Sinais Francesa. Farão parte desse intercâmbio do Erasmus Mundos alunos do Brasil, França e Luxemburgo.

Segundo o professor Eduardo Onofre, esta viagem está sendo inteiramente financiada pela União Europeia, através do Erasmus Mundos, uma vez que a instituição tomou conhecimento do trabalho de inclusão que vem sendo feito na UEPB. Ele destacou que serão feitas visitas à Escola de Surdos e ao Instituto de Surdos, ambos na capital da França. “O convite e financiamento partiu do Programa Erasmus Mundos. Estamos levando nossa experiência para lá para realizarmos essa troca de saberes com pessoas de outras realidades”, disse o professor.

Eduardo ainda destacou que a possibilidade de participar desse projeto dará mais visibilidade à cultura surda brasileira na Europa, além de mostrar os avanços que foram conquistados com a política de inclusão da UEPB. “Estamos trabalhando com a inclusão de alunos com deficiência no ensino superior. Vamos apresentar a política de inclusão da UEPB, que está sendo de grande importância por oferecer a possibilidade desses jovens avançarem com seus estudos”, acrescentou o docente, pontuando que a UEPB tem atualmente em seu corpo discente 12 alunos com algum tipo de deficiência, sendo dois deles surdos, além de três professores surdos, de um total de cinco com deficiência.

Hebert Costa, professor intérprete de Libras na UEPB, ressaltou o trabalho que será feito pelos docentes para a participação desses jovens no projeto. Ele falou que além da atuação dos intérpretes nas línguas de sinais do Brasil, França e de Luxemburgo, ainda terá o trabalho dos tradutores de cada uma dessas línguas, o que mostra o tamanho da complexidade desse intercâmbio de conhecimentos envolvendo a cultura surda de três países. “Teremos um intercâmbio de professores, de intérpretes, além dos alunos surdos que terão uma experiência nova em conhecer a cultura surda de outro país”, disse Hebert.

Eduardo Onofre também confirmou que os alunos da UEPB, Thays Fernandes (Biologia), Vandinaldo Leite (Educação Física) e Gerlândia de Oliveira (Pedagogia) ainda participarão de uma apresentação para os estudantes franceses e luxemburgueses sobre a cultura surda brasileira, além da comunicação através da Língua Brasileira de Sinais (Libras). “Este é o momento onde cada aluno participante desse projeto poderá aprender mais a cultura surda de outro país. Tanto os brasileiros farão essa apresentação, como também os franceses e luxemburgueses explicarão um pouco de sua cultura surda. Certamente, esse é um dos pontos altos desse intercâmbio de conhecimento que participaremos”, concluiu o professor Eduardo Onofre.

Texto: Givaldo Cavalcanti