1º Encontro da Rede de Articulação Etnográfica em Psicologia será realizado em CG com apoio da UEPB

19 de julho de 2018

Campina Grande sediará, no dia 27 de julho, a primeira edição do Encontro da Rede de Articulação Etnográfica em Psicologia, pré-evento regional do 1º Encontro da Rede de Articulação: Psicologia, Povos Indígenas, Quilombolas, Tradicionais, de Terreiro e em luta por território, apoiado pelo Conselho Federal de Psicologia. A professora Ana Elizabeth Araújo Luna, do Departamento de Psicologia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e coordenadora da Associação de Etnias da Paraíba, é a coordenadora do pré-evento na Paraíba, juntamente com o Conselho Regional de Psicologia – CRP13.

Tendo em vista a democracia e direito cidadão postos na Constituição de 1988, vem se firmando nos últimos anos no Brasil a busca pela garantia dos direitos das etnias quilombolas e indígenas, surgindo leis e políticas públicas específicas de educação, saúde e assistência social. No campo acadêmico, tem emergido contribuições de vários campos do conhecimento, como Direito, Educação, Sociologia, História, Antropologia, Arqueologia e Psicologia. O Conselho Federal de Psicologia, na luta pela cidadania do povo brasileiro e pelos direitos das minorias, vem incentivando debates e lançando diretrizes com a publicação de cartilhas no CREPOP sobre a prática do psicólogo junto aos grupos negros, quilombolas e indígenas.

O 1º Encontro da Rede de Articulação Etnográfica em Psicologia será realizado no Cine Teatro São José e trará grandes nomes do âmbito acadêmico e jurídico, como também profissionais da psicologia e lideranças das comunidades quilombolas e indígenas. As inscrições estão sendo feitas pelo blog www.reappb.blogspot.com, mediante preenchimento da ficha de inscrição e entrega de 2Kg de alimentos não perecíveis no dia do evento. Os alimentos recebidos no ato da inscrição serão doados para a comunidade quilombola de Caiana dos Crioulos, em Alagoa Grande, e para as aldeias indígenas potiguaras de Rio Tinto, Marcação e Baía da Traição.

Os organizadores do evento esperam firmar um diálogo horizontal entre profissionais e comunidade, rompendo estigmas e preconceitos da sociedade para com estas culturas. Mediante a presença dos quilombolas da Caiana dos Crioulos de Alagoa Grande e dos índios potiguaras do litoral Norte da Paraíba, se faz de extrema relevância construir saberes, estratégias e ações que promovam avanços no estado da Paraíba e no Brasil.