Universidade Estadual da Paraíba participa de Feira Agroecológica pelo Dia Mundial da Alimentação

16 de outubro de 2019

Produtos saudáveis, com maior sabor, cultivados por produtores de quatro territórios da Paraíba e livre de agrotóxicos e transgênicos. A diversidade desses produtos e a riqueza que brota do solo paraibano foram conferidas na Feira Agroecológica realizada nesta quarta-feira (16), na Praça da Bandeira, no Centro de Campina Grande, como parte das comemorações pelo Dia Mundial da Alimentação.

A feira foi promovida pelo GT de Comercialização da Articulação do Semiárido Paraibano – ASA Paraíba, pelo Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional da Paraíba – Consea e pelo Fórum Paraibano de Segurança e Soberania Alimentar e Nutricional, contando com incentivo da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), por meio do Núcleo de Extensão Rural em Agroecologia (NERA-UEPB) e do Centro Vocacional Tecnológico de Agroecologia e Produção Orgânica: Agrobiodiversidade do Semiárido (CVT), que funcionam no Centro de Ciências Agrárias Ambientais (CCAA), no Câmpus de Lagoa Seca.

O evento teve, além da comercialização dos produtos agroecológicos, um conjunto de atrações culturais com música, dança e teatro de bonecos, bem como a participação do Grupo de Tradições Populares Acauã da Serra. Uma tenda pedagógica distribuiu materiais educativos e informativos com receitas de alimentos beneficiados e produtos naturais usados pelos agricultores para o controle de pragas e doenças. Houve ainda uma exposição artística com trabalhos de crianças de escolas públicas e privadas de Campina Grande da zona rural e urbana, que usaram sementes e folhas, após terem debatido a importância da alimentação saudável e a diversidade dos alimentos em sala de aula.

Professora Shirleyde Alves, do Câmpus II da UEPB, destacou que o NERA e o Centro Vocacional Tecnológico de Agroecologia e Produção Orgânica realizam um conjunto de ações, desenvolvidas em parceria com os agricultores. São projetos de assistência técnica no campo, bem como projetos de pesquisas e extensão, além das campanhas contra o uso de agrotóxicos e transgênicos. “Feira como essa são de extrema relevância, pois mostra para a população que existe condições de produzir sem substâncias químicas. Os agricultores trazem produtos que geram qualidade de vida e saúde para as pessoas”, disse.