Reitoria da Universidade Estadual da Paraíba publica editorial “De volta ao aconchego: um convite à esperança!”

17 de julho de 2017

De volta ao aconchego: um convite à esperança!

Depois de noventa dias em greve e após a decisão democrática de retorno às atividades por parte de servidores técnico-administrativos e docentes, o momento é de construir os cenários com vistas à normalidade acadêmica, renovando todos nós as esperanças! Desde que foi deflagrada a greve, este Reitorado buscou pautar as suas ações no respeito, na ética e no compromisso institucional.

Quando o assunto diz respeito à EDUCAÇÃO, nada é simples. Entendemos que todas as lutas por ela requeridas são permanentes e, muitas vezes, com frutos bem demorados para colheita! Como gestores da Universidade Estadual da Paraíba, assumimos o compromisso de conduzir todos os nossos atos a partir da convicção de que estamos em um ambiente educacional, o que nos impõe a necessária capacidade de diálogo, mediação e exercício democrático.

Neste contexto recente de greve, foram muitas as variáveis que o movimento paredista levantou, com a presença de interesses que, apesar de legítimos, por vezes entraram em rota de colisão com a necessidade objetiva de negociação. Era mais do que necessário que a Reitoria mantivesse a resiliência, a serenidade e a firmeza de propósitos no sentido de defender os interesses maiores da Instituição e da sociedade paraibana.

Com maior amplitude, a UEPB deve ser compreendida pelas conquistas cotidianas, demonstradas há décadas. Precisamos, assim, tomar fôlego para consolidarmos, cada vez mais, uma Universidade que seja a “cara” da Paraíba, que tenha sua composição genética sensivelmente elaborada a partir do que vem da nossa base social, dos problemas que enfrentamos e que demandam respostas racionais, científicas e reflexivas.

Não foram dias fáceis. Mas, foram dias de profícuo aprendizado. Não nos cansamos e não nos cansaremos em demonstrar, e o faremos quantas vezes necessário for, a forma como nossos recursos orçamentários são usados. Para nós, a transparência institucional não é vista como algo abstrato ou projeto a ser cumprido. Ao contrário disso, ela assume a abertura objetiva para o diálogo e clareza na prestação de contas.

O contexto de greve demarcou a pauta legítima dos servidores docentes e técnico-administrativos e, de forma muito especial, ressaltou a luta complexa e ingente da categoria dos professores substitutos por seus direitos, de forma inquestionável. A greve, entre outros ensinamentos, trouxe-nos à luz o direito fundamental (e evidente) à educação dos mais de 20 mil alunos da UEPB!

A greve, ainda neste complexo cenário, deu condições à Reitoria de estabelecer mediação serena e democrática. Assim, o diálogo foi sempre o instrumento principal para a superação dos conflitos. Aprendemos. E aprendemos muito com tudo isso, sobretudo que precisamos encarar o que nos tenciona politicamente, mas com a devida cautela para que danos não sejam mais causados à UEPB. Não mais os mesmos!

Revisitar nossa cinquentenária história de luta com a educação é também celebrar com muito orgulho e sentimento de pertença institucional as conquistas da Estadualização e da Autonomia universitária. Foram conquistas resultantes de muito diálogo e interesses comuns.

Hoje, neste dia 17 de julho de 2017, temos a convicção de que o tempo é outro. Com o coração renovado de esperança, compreendemos que esse outro tempo é o de renovar as lutas e ressignificá-las junto com a comunidade acadêmica. As lutas da UEPB não se limitaram e não devem jamais se limitar aos momentos de greve.
Neste cenário político repleto de grandes desafios, retomamos às aulas no dia de hoje, esperando que, gradativamente, as atividades acadêmicas sejam normalizadas, na medida em que envidaremos todos os esforços para contribuir para e nas negociações com o Governo do Estado; para que elas possam prosperar.

Por tudo isso, gostaríamos de convidar toda a comunidade para uma caravana de bases coletivas, na qual cada integrante deste barco, que é a UEPB, sinta-se tocado pelo mesmo desejo de vê-la fortalecida como pública, gratuita, de qualidade; autônoma e cada vez mais popular para a Paraíba e região.

E ainda, parafraseando o Mestre Dominguinhos, que todos se sintam “de volta ao aconchego”, trazendo na bagagem (além de saudades) a firme disposição de renovar as esperanças e de seguir nesta estrada com o firme propósito de consolidar uma Universidade cada vez mais democrática; cada vez mais inclusiva e com muito, muito mais qualidade para todos nós que somos a Universidade Estadual da Paraíba, para todos nós que sonhamos a UEPB que queremos.

Lembre-se: Você também é UEPB!

 

Flávio Romero Guimarães
Reitor em exercício, em nome de todos e de todas que fazem a equipe da Reitoria