Projetos “Cordel no Museu” e “A Poesia a Serviço da Educação” envolvem alunos da rede pública em declamações

10 de outubro de 2019

Na manhã desta quinta-feira (10), a estudante da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Professor Antônio Oliveira, localizada no bairro Dinamérica, em Campina Grande, Amanda Neves da Silva, de 15 anos, estava ansiosa. Pouco afeita às apresentações em público, Amanda veio declamar poemas na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), junto com outros colegas.

O evento, sediado no hall do Prédio Administrativo, no bairro de Bodocongó, em Campina Grande, integrou as comemorações pela Estadualização da UEPB, celebrada nesta sexta-feira (11). Resultado de uma parceria entre os projetos “Cordel no Museu” e “A Poesia a Serviço da Educação”, a atividade também contou com um lanche coletivo e uma visita à Biblioteca de Obras Raras Átila Almeida.

Amanda, que reside no Bairro do Cinza, explicou que este ano teve aulas com Silas Silva, coordenador da iniciativa “A Poesia a Serviço da Educação”, e que com ele aprendeu como escrever um cordel. “A sextilha, por exemplo, tem estrofes de seis versos, com versos de sete sílabas poéticas. Sempre gostei de literatura, mas não fazia ideia de como se escrevia esse gênero. É muito interessante entender como se faz a rima”, endossou.

Sobre a visita à Universidade, a estudante disse estar impressionada com a Átila Almeida. “Toda biblioteca deve ser respeitada, porque guarda o conhecimento da humanidade. A UEPB tem um lugar só para conservar a criatividade do nosso povo, nessa área de cordel. É bom que haja um espaço para valorizar esse trabalho tão bonito dos poetas”, explicou Amanda. Cerca de 30 estudantes da Escola estiveram presentes à ocasião.

A oportunidade contou com a participação do pró-reitor de Cultura, José Cristóvão de Andrade; do presidente da Associação de Cordel do Vale do Paraíba (ACVPB), Marconi Araújo; da curadora da parte de Cordel do Museu de Arte Popular da Paraíba (MAPP), Joseilda Diniz; do diretor do Grupo de Tradições Populares Acauã da Serra, Agnaldo Barbosa; do ativista cultural Nando César; de Silas Silva; da percussionista Vanuza Vieira; do pesquisador Xico Nóbrega; do bibliotecário da Átila Almeida, Paulo Alves; dos professores Rita Soraia Castro, Sonaly Duarte, Marcelo Pereira e Maria Leandro, esta última diretora da Escola Professor Antônio Oliveira.

As declamações ficaram a cargo de Neto Ferreira, Marconi Araújo, que também foi o apresentador da atividade, Alfrânio de Brito e Jota Lima Cordelista. Tanto Andrade quanto Marconi destacaram o apoio da UEPB no que se refere ao enaltecimento da Cultura Popular. “A UEPB sempre esteve ao lado dos poetas. Esta parceria já é muito bem-sucedida. Para que ela ocorresse houve toda a sensibilidade da Procult, que enxerga nossos vates com a distinção que eles merecem”, ressaltou o presidente da ACVPB.

Para a professora Joseilda, descentralizar o “Cordel no Museu” para encontrar outros públicos denota toda a versatilidade do empreendimento. “Precisamos caminhar em outras paragens, atingir outras plateias. Com ‘A Poesia a Serviço da Educação’, Silas Silva mostra todo o vigor da expressão artística de caráter regional e como o cordel é uma ferramenta pedagógica imprescindível, poderosa, rica sobremodo. Silas abraçou o nosso projeto e, sem dúvida, isso veio agregar mais entusiasmo ao diálogo que propomos para fortalecer o gênero”, concluiu.

O “Cordel no Museu” acontece mensalmente e deriva de uma união de esforços entre o MAPP, a Procult e a ACVPB. Nas duas últimas edições, passou a contar também com a iniciativa “A Poesia a Serviço da Educação”.

Texto: Oziella Inocêncio
Fotos: Hugo Tabosa e Luan Costa