Projeto “Nas Asas da Leitura” realiza Café Literário e promove integração entre estudantes do Câmpus I

10 de agosto de 2018

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nos últimos quatro anos, o projeto de extensão “Nas Asas da Leitura” tem apresentado uma proposta diferente e aproximado centenas de alunos do convívio com a leitura, autores e livros dos mais variados gêneros. E para promover uma integração maior entre os alunos participantes desta iniciativa e os discentes de vários cursos da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), foi realizado na manhã desta sexta-feira (10), na Central de Integração Acadêmica, no Câmpus de Bodocongó, o primeiro Café Literário, iniciativa que instigou estudantes a declamarem poesias, cantar ou promover outras expressões artísticas.

De acordo com a atual coordenadora do projeto, professora Amasile Coelho Costa, já foram desenvolvidas atividades como feiras de livros, palestras, sarau literário, mas a primeira vez desse encontro durante a manhã foi motivado para aproximar o projeto dos alunos de outros cursos, bem como estimular a produção artística e literária dos jovens estudantes da UEPB.

“Esse projeto começou com a professora Cléa Gurjão, em escolas estaduais, para incentivar a leitura junto a jovens do 6º e 7º anos. A cada ano passamos por uma escola diferente e o resultado é muito positivo, porque conseguimos estimular o interesse pela leitura nas crianças. Já a realização desse Café Literário vem como um momento de descontração, de lazer, mas com o objetivo de incentivar os nossos alunos da UEPB que escrevem poesias, letras de músicas ou tocam algum instrumento a apresentar sua obra e interagir com estudantes de outros cursos”, explicou a professora Amasile.

Aluna do 7º período do curso de Lestras/Português, Solange Diniz é uma dos nove integrantes do “Nas Asas da Leitura” que, atualmente, está sendo desenvolvido na Escola Estadual de Ensino Médio Alceu Amoroso Lima, localizada no bairro das Malvinas, em Campina Grande. Ela afirmou que o resultado do trabalho em sala tem alcançado bons resultados pelo retorno que os estudantes dão à medida que eles participam das atividades. “No início eles são tímidos. Mas quando despertamos neles o prazer da leitura e eles entendem o bem que o livro faz, a participação é muito grande. Eles melhoram o desempenho na escola, se integram mais e se tornam grandes leitores”, disse Solange.

Ao longo de toda manhã, na Central de Integração Acadêmica, vários estudantes se revezaram no palco montado para realizarem seus números. Não apenas alunos do curso de Letras, mas também estudantes dos cursos de Jornalismo, História, Geografia, Pedagogia e Filosofia, que assistiram as apresentações e também exibiram números de música e poesia. “Nossa proposta foi justamente essa: integrar os alunos e estimulá-los cada vez mais a produzir textos, poesias, músicas e tantas outras expressões artísticas”, concluiu Amasile.

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti