Pós em Literatura e Interculturalidade inicia 7º Seminário de Pesquisa no Câmpus de Campina Grande

22 de outubro de 2018

Este slideshow necessita de JavaScript.

Teve início na manhã desta segunda-feira (22), no Auditório II da Central de Integração Acadêmica, no Câmpus I da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), em Campina Grande, o 7º Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade (PPGLI). Com mais de 120 inscritos, o evento visa publicizar e debater os diversos estudos produzidos por alunos de Mestrado e Doutorado do programa, seguindo até a próxima sexta-feira (25), sempre das 8h30 às 12h.

O Seminário também marca o ingresso dos novos coordenadores do PPGLI, os professores Rosilda Alves Bezerra e Gilvan de Melo Santos, que a partir de agora substituem os professores Antônio Carlos de Melo Magalhães e Luciano Barbosa Justino na coordenação do programa. ”Tenho profundo zelo pelo PPGLI e a interdisciplinariedade aqui proposta nos faz acolher profissionais de diversas áreas, além de conferir ao Programa um caráter ímpar no país”, comentou professor Gilvan.

Coordenando as mesas de apresentação dos trabalhos, o professor Antônio de Pádua Dias agradeceu a parceria docente/discente estabelecida nos últimos anos e os trabalhos realizados pelos coordenadores anteriores, salientando que o Programa entra agora em uma nova fase, com foco na internacionalização e no vasto histórico dos professores nesse sentido. Além disso, ele afirmou que o PPGLI não pode abrir mão de sua singularidade e de seu viés político, já que se trata de um programa com constantes desafios e que não tem uma cultura vanguardista de temas e de pesquisa. “Aqui não tem tabus chatos, teorias que não estejam vinculadas de certa forma às práticas, às lutas, ao pensamento crítico, o que o torna ainda mais especial”, ressaltou.

Convidado para ministrar a palestra de abertura do evento, o reitor Rangel Junior refletiu sobre o atual contexto político do Brasil, acentuou que a sociedade está diante de um fenômeno impressionante da vida brasileira, o qual, academicamente, pode render boas análises, dissertações e pesquisas sobre o tema. “A partir de minha experiência de 38 anos dentro de uma universidade, como estudante e professor, o que eu posso dizer é que este espaço não pode jamais ser ameaçado de morte, nem ser tutelado ou privado de manifestação livre do pensamento, pois se trata de um lugar de livre exercício de liberdade, de expressão de ideias e da capacidade de pensar, falar e ouvir”, discorreu o reitor, destacando a necessidade de sempre manter vivo o diálogo entre pessoas com ideias diferentes, pois “só a partir do confronto público é que podemos construir um entendimento”.

O seminário segue durante toda esta semana, apresentado temáticas relacionadas especialmente à literatura minoritária, tratando de gênero, etnia, religião e mídia, entre outros temas. Um assunto que ganhou destaque na abertura do 7º Seminário de Pesquisa foi o gradativo processo de internacionalização pelo qual passa o PPGLI. De acordo com a professora Rosilda Alves, ele acontece principalmente em relação ao corpo docente, tendo em vista que atualmente cerca de 80% dos professores do Programa já fizeram pós-doutorado no exterior ou o estão realizando.

Acompanhando esta tendência, os alunos do doutorado também vêm recebendo incentivos para estudar fora através de “doutorados sanduíche”, ou seja, programas que permitem ao estudante cursar parte de seu doutorado em outra instituição, seja brasileira ou internacional. “Estamos tentando fazer com que as Universidades no exterior recebam nossos alunos, possivelmente através de bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Temos abertura na França, Portugal, Espanha, além de um bom diálogo com a Alemanha e Itália, tudo em decorrência da experiência de nossos docentes em universidades destes países e da frequente apresentação de trabalhos em congressos no exterior”, esclareceu Rosilda.

A professora informou ainda que a rede de contatos com professores de fora vem sendo ampliada paulatinamente e que, por outra via, em breve o PPGLI receberá professores de romanística da Alemanha com boa fluência em língua portuguesa, que virão como convidados à Campina Grande ministrar aulas para os alunos do doutorado.

Texto e fotos: Giuliana Rodrigues