Pós em Educação Especial inicia atividades com aula sobre recursos para alunos com deficiência

6 de novembro de 2018

Este slideshow necessita de JavaScript.

A turma pioneira da Especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva teve sua primeira atividade realizada na noite de quinta-feira (1º), no Auditório III da Central de Integração Acadêmica da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), no Câmpus de Bodocongó. A aula magna foi ministrada pela professora Sônia Maria de Lira, docente da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), que abordou o histórico acerca da educação especial no Brasil, bem como a utilização de recursos adaptados para alunos com deficiência visual.

Uma das referências na Paraíba sobre o assunto, professora Sônia Lira abordou o conteúdo da aula fazendo um recorte histórico sobre o início da atenção pedagógica para inclusão de políticas de assistência para alunos com deficiência, bem como a implantação de leis específicas sobre assunto. Ela também ressaltou que o processo de ingresso no Ensino Superior já é por si só excludente, uma vez que o número de vagas ofertadas ainda não atende toda a demanda e, observando o cenário de alunos com algum tipo de deficiência, essa realidade é ainda mais defasada.

“O que propomos é uma abordagem sobre o que podemos contribuir para exercer melhores condições para os alunos que possuem algum tipo de deficiência. Esta Especialização conta com um grande número de alunos/professores, cada um com uma realidade diferente, mas que têm como objetivo promover atividades pedagógicas de inclusão para alunos que convivem, seja com deficiência visual, física ou qualquer outro tipo. O importante é que os docentes continuem empenhados em desenvolver competências pedagógicas que favoreçam a inclusão desses alunos através de estudos e pesquisas na área”, destacou a professora.

Composta por 30 professores, a turma da Especialização terá uma carga de 390 horas/aula presenciais, sendo os encontros realizados nas terças e quintas-feiras, das 18h às 22h, na Central de Integração Acadêmica. Ao todo, serão 17 meses de atividades acadêmicas, sendo 13 deles dedicados às 10 disciplinas e os quatro restantes ao processo de realização do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Segundo o coordenador do curso, professor Eduardo Onofre, esta pós-graduação é o pontapé inicial de uma nova perspectiva para o assunto do ponto de vista acadêmico.

“Começamos esta Especialização com uma perspectiva muito boa no campo de estudo da Educação Especial na Universidade. Vamos trabalhar com afinco para que, a partir deste curso, nós possamos pensar em um projeto para o Mestrado. Reunimos um grande número de professores qualificados, um curso com uma grade curricular muito atual e todos prontos para auxiliarmos esses alunos nas pesquisas que eles realizarão”, afirmou o coordenador.

Uma das alunas da especialização, Joara Alves, licenciada em Ciências Biológicas na UEPB, está entusiasmada com o curso pelas perspectivas que ele tem em apresentar novidades na área, como também em atender a demandas existentes nas salas de aulas da Educação Básica. Segundo ela, esta é uma grande oportunidade para qualificação docente em uma área que precisa de uma atuação profissional capacitada. “Espero aprender muito, não só na parte teórica, mas na prática também. É uma necessidade pedagógica minha, por trabalhar com alunos que têm algum tipo de necessidade especial”, disse a professora.

Para oferecer mais uma opção na qualificação desses docentes, foi apresentado o projeto Internacional “Universidades Inclusivas: Competencias Clave de la Comunidad Universitaria para Desarrollo de una Ciudadania Activa – Solidris”  através do qual a Coordenadoria de Relações Internacionais (CoRI) da UEPB é parceira de diversas instituições de outros países. O secretário executivo da CoRI, Christiano Cordeiro, fez a apresentação da iniciativa, que tem como proposta o desenvolvimento de novos horizontes a partir de grupos de estudos que trabalham na perspectiva de inclusão social.

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti