Minicursos dão prosseguimento à 2ª Escola de Verão em Desenvolvimento de Medicamentos Fitoterápicos

30 de janeiro de 2018

Este slideshow necessita de JavaScript.

Teve início na segunda-feira (29), no Departamento de Farmácia da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Câmpus de Bodocongó, a segunda edição da Escola de Verão em Desenvolvimento de Medicamentos Fitoterápicos, promovida pelo Laboratório de Desenvolvimento e Ensaios de Medicamentos (LABDEM) da Instituição. O curso conta com um total de 76 inscritos, entre graduandos e pós-graduandos de Farmácia, Biologia e Odontologia, e tem a participação de palestrantes de diversas universidades do Nordeste.

Segundo a professora Ana Cláudia Dantas de Medeiros, organizadora do curso, todos os professores participantes são bolsistas de produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), tanto integrantes da UEPB como também da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF) e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Na manhã desta terça-feira (30) foram iniciados os quatro minicursos oferecidos nesta edição: Atividade Microbiana; Farmacologia de Produtos Naturais; Assistência Farmacêutica de Medicamentos Fitoterápicos; e Tecnologia Farmacêutica Aplicada a Medicamentos Fitoterápicos.

Com grande número de participantes, a professora Terezinha Gonçalves da Silva, da UFPE, ministrou a palestra “Atividade antitumoral de Plantas medicinais”, na qual discorreu sobre a descoberta de fármacos anticancerígenos, os processos realizados da planta ao medicamento, desafios e perspectivas na área e alguns aspectos relacionados à biologia dos medicamentos, desde as modificações que ocorrem nas células cancerígenas até os pontos da doença em que se pode interferir com medicamentos.

“Abordamos também sobre vários medicamentos que são oriundos de produtos naturais, tanto de origem de plantas, quanto de origem marinha ou de micro-organismos, que já estão sendo utilizados de maneira geral em clínicas”, acrescentou a professora.

Logo em seguida, a professora Cynthia Almeida, também da UFPE, tratou o tema “Farmacologia de produtos naturais e testes em animais de laboratório”, no qual discorreu sobre o trabalho de pesquisa com pequenos animais, como ratos e camundongos, bem como sobre os testes de toxicidade, atividades desenvolvidas com estes seres e os modelos de testes.

“Este é um tópico polêmico, especialmente com os defensores dos animais, mas mostramos que cumprimos todas as questões éticas, que devem ser previamente avaliadas por um comitê de pesquisas em animais. Assim, só quando o projeto é aprovado e liberado, é que os profissionais podem realmente começar a pesquisar, sempre dentro dos aspectos éticos e sob a égide do comitê, utilizando o mínimo possível de animais”, enfatizou Cynthia.

O curso segue até o próximo domingo (4), com o encerramento dos mini-cursos e com as palestras “Desenvolvimento de fitocosméticos” e “Os desafios no controle de qualidade de medicamentos fitoterápicos”.

 

Texto e fotos: Giuliana Rodrigues