Evento debaterá papel das raças nativas na agricultura familiar e na conservação da biodiversidade

9 de agosto de 2018

Será realizada entre os dias 14 e 16 de agosto, na sede do Instituto Nacional do Semiárido (Insa/MCTIC), em Campina Grande, a Oficina Raças Nativas na Agricultura Familiar Agroecológica. O evento conta com apoio da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e é fruto da articulação envolvendo agricultoras e agricultores guardiões das raças locais, organizações, movimentos sociais, entidades de assessoria técnica, redes de pesquisa, instituições de ensino e de ciência e tecnologia.

Cerca de 200 representantes destes segmentos participarão do evento que é uma realização do Grupo de Trabalho de Criação Animal da Articulação do Semiárido Paraibano Paraíba (ASA-PB) e do Insa, em parceria com a Rede Paraibana de Núcleos de Agroecologia. A dinâmica da programação acontecerá por meio de conferências, mesas redondas e debates. Também será utilizada uma metodologia participativa, que promoverá a apresentação das experiências pelas famílias guardiãs e troca de saberes entre agricultoras/es, pesquisadoras/es, técnicas/os e estudantes, por meio de Carrosséis e Rodas de Diálogos, visando o aprofundamento da reflexão sobre as raças locais para aumentar a resiliência dos agroecossistemas familiares no Semiárido brasileiro.

A proposta da Oficina será baseada na troca de saberes tradicional e científico para a construção de conhecimentos, indicação das demandas de pesquisas básicas e aplicadas, formação e difusão de tecnologias sobre a conservação e das raças nativas criadas e manejadas historicamente pelas famílias agricultoras do Semiárido brasileiro. Estudantes e pesquisadores farão ainda a apresentação de trabalhos científicos no segundo dia de evento. Um concurso de fotografias premiará três melhores imagens de animais nativos.

O evento promoverá ainda a atualização metodológica sobre pesquisas participativas, consolidação de diretrizes de pesquisas e de agendas estratégicas que busquem o fortalecimento técnico-científico no que concerne à conservação dos recursos genéticos locais, como forma de garantir a segurança e soberania alimentar e renda para as famílias agricultoras agroecológicas.

As raças de animais locais ou crioulas têm como características principais a produção em diferentes condições ambientais, a exemplo do Semiárido brasileiro, e apresentam boa capacidade de adaptação, rusticidade e resistência, além de serem responsáveis por boa parte da alimentação das famílias agricultoras camponesas em todo o mundo. Segundo o Informe Mundial sobre Recursos Zoogenéticos da FAO, órgão das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, de 2010, estima-se que cerca de 20% das raças estão em perigo de extinção.

E diante das mudanças climáticas e de um quadro de extrema pobreza e fome no mundo, a FAO recomenda no seu Plano de Ação Mundial sobre os Recursos Zoogenéticos aos diversos países desenvolverem esforços no sentido de combater a erosão da diversidade genética animal e utilizarem de forma sustentável os recursos zoogenéticos locais. Estimula também ações de cooperação e integração em nível nacional e internacional no sentido de buscar assegurar a riqueza mundial de biodiversidade animal para as gerações futuras.

A Oficina Raças Nativas na Agricultura Familiar Agroecológica tem o apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), Coordenadora Ecumênica de Serviço (Cese), Universidade Estadual da Paraíba UEPB e do Centro Vocacional Tecnológico de Agroecologia e Produção Orgânica: Agrobiodiversidade do Semiárido (CVT).

PROGRAMAÇÃO:

Dia 14/08/2018
8h: Recepção e café
9h30: Mística de abertura
10h: Palestra magistral – Tema “Raças nativas, Mudanças Climáticas e Convivência com o Semiárido” – Palestrante Haroldo Schisteck (IRPAA-BA)
11h: Debate
12h30: Almoço
14h: Carrossel de Experiências – Tema “As famílias agricultoras camponesas guardiãs das sementes animais no semiárido”

Experiência 1: “Terra, fé e coragem: a história de superação de dona Raimunda” – Agricultora: Raimunda Soares Gomes – Tacima (PB)
Experiência 2: “Fundo Rotativo Solidário de Jovens com a raça Morada Nova” – Agricultor: Mateus Manassés – Sítio Soares – Queimadas (PB)
Experiência 3: “Experiência de resistência e tradição através das sementes animal de galinhas de capoeira” – Agricultora: Rosemary Posse de Lima – Sítio Santa Luzia – Soledade (PB)

Dia 15/08/2018
8h: Mística
8h20: Mesa redonda “Raças nativas e sistemas de criação animal em transição agroecológica em regiões semiáridas”
Facilitadores/as: Família agricultora – Maria Célia Araújo e Aldo Experiência: “Sistema de criação e produção de cabras leiteiras” / Sebastian A. De la Rosa Carbajal (CEDEVA – Argentina)
Experiência: Raças nativas e mulheres indígenas – Francisco Roserlândio Botão Nogueira (NAESP/IFPB – Câmpus Sousa)
10h: Lanche
10h30: Apresentação dos trabalhos científicos e das experiências
11h45: Feira de Sabores e Saberes
12h30:Almoço
14h: Rodas de Diálogos Simultâneas
1. Estratégias de seleção, conservação e manejo de raças domésticas locais
2. Segurança alimentar animal e a preservação, conservação e uso racional da caatinga
3. Sanidade animal em raças locais
4. Produtos tradicionais de animais de raças locais e gastronomia
5. Raças locais, Fundo Rotativo Solidário e práticas que promovam autonomia
6. Etnozootecnia, conhecimento local e diversidade
7. Criação animal ao redor de casa
16h15: Lanche
16h30: Continuidade da Feira
19h30: Jantar cultural / Entrega do Prêmio de Fotografia

Dia 16/08/2018
8h: Mística
8h20: Mesa redonda “Comércio de produtos agroecológicos de origem animal e Legislação Sanitária”
9h: Debate
9h50: Lanche
10h: Grupos por território para encaminhamentos e compromissos
11h: Apresentação das propostas de encaminhamentos de cada território
12h30: Mística de encerramento
12h40: Almoço

Colaboração: Áurea Olímpia (Assessoria Centrac)