Escola Agrícola Assis Chateaubriand da Universidade Estadual comemora 52 anos de existência

20 de outubro de 2014

lag1A Escola Agrícola Assis Chateaubriand (EAAC) do Câmpus II, em Lagoa Seca, um dos mais antigos da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), está celebrando mais um ano de existência. Nesta segunda-feira, 20 de outubro, a unidade comemora 52 anos, firmando uma história de lutas e progressos no meio rural do Brejo paraibano, beneficiados com a educação e o desenvolvimento do Estado.

Segundo o professor Messias Firmino de Queiroz, diretor da EAAC, os festejos pela data acontecerão no Dia do Técnico Agrícola, em 5 de novembro, quando serão promovidas palestras e uma gincana de conhecimentos com alunos e professores. A programação completa será divulgada posteriormente.

lag2As atas de fundação da Escola, com informações históricas, como os nomes dos primeiros integrantes do Câmpus, valores recebidos para o início das atividades e disciplinas escolhidas para serem ministradas na época, mostram um pouco da trajetória do Centro, que funcionou primeiramente na Associação Rural, Centro de Campina Grande, para só em 1967 ser transferido para Lagoa Seca, que na época ainda era Distrito de Campina.

“Em 22 de outubro de 1967, Lagoa Seca foi emancipada e o prefeito Severino Cabral doou para a Associação Rural a área para a construção da Escola Agrícola, exatamente no local onde funciona hoje”, conta Messias Firmino, lembrando que a Associação Rural foi primordial para a idealização e concretização do projeto da Escola, que inicialmente se chamava Ginásio Agrícola Assis Chateaubriand.

lag3Dentre os membros presentes na época, estiveram o jornalista, folclorista e pesquisador da cultura popular, professor Átila de Almeida; e o economista e empreendedor Edvaldo Sousa do Ó. Hoje, o primeiro dá nome a biblioteca de obras raras do Câmpus I da UEPB e o segundo recebeu uma homenagem nomeando o Câmpus sede da Instituição, em Campina Grande.

Da ata da primeira reunião ordinária – 22 de fevereiro de 1963 – até agora muitas mudanças aconteceram no Câmpus II. Uma grande conquista aconteceu já na sua fundação, quando uma verba federal foi adicionada para construção e manutenção do prédio pioneiro. Depois da implementação da Autonomia da UEPB, em 2006, iniciou-se a construção das agroindústriaa de Lagoa Seca, uma grande obra com visões práticas e educacionais mais amplas.

Recentemente, os integrantes da EAAC foram beneficiados com uma verba do Programa Federal Brasil Profissionalizado, para construção do prédio para o curso de Agroindústria, com salas de aula e laboratórios, além da reforma do prédio antigo. “Em relação a Escola Agrícola temos muito o que comemorar”, disse o professor Messias Firmino, lembrando que curso é gratuito e de qualidade e atende quase 300 estudantes oriundos de 15 municípios. Em novembro será aberta a pré-matrícula para o ano letivo de 2015.

Outras informações sobre a EAAC

– Funcionou inicialmente em locais provisórios, como o Colégio Anita Cabral e o Colégio Integrado da Furne, em Campina Grande;

– Surgiu através da própria economia do município, que é tipicamente agrícola e com grande potencial de hortifrutigranjeiros;

– Seu objetivo era oferecer o ensino fundamental e técnicas agrícolas que proporcionassem uma melhor orientação educacional aos filhos dos produtores rurais;

– O projeto pedagógico caracteriza-se pela capacitação de mão de obra qualificada em nível médio, contribuindo para o desenvolvimento da agropecuária paraibana;

– Desde sua fundação, a EAAC colocou no mercado de trabalho quantidade considerável de profissionais, respeitados até hoje, em face dos excelentes serviços prestados à comunidade;

– A escola recebe atualmente apoios que provém de diversas instituições.