Departamento de Educação Física promove minicurso de vôlei sentado com técnico da Seleção Brasileira

28 de setembro de 2018

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Departamento de Educação Física (DEF) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), através do Programa Laboratório Pedagógico: Saúde, Esporte e Lazer, promoveu, nesta sexta-feira (28), um minicurso da modalidade vôlei sentado. A atividade foi ministrada pelo técnico da Seleção Brasileira Paralímpica de Vôlei Sentado, José Agtônio Guedes Dantas. Ele é técnico do time feminino desde 2013, tendo conquistado medalha de bronze nas Paralimpíadas do Rio de Janeiro, em 2016.

No total, foram ofertadas 75 vagas, das quais 45 foram preenchidas só com estudantes dos cursos de Bacharelado e Licenciatura em Educação Física da UEPB. As demais vagas foram ocupadas por alunos da Universidade Paulista (UNIP). Entre um intervalo e outro, o professor José Agtônio Guedes relatou que o minicurso foi apenas um recorte de um curso oferecido pela Educação Paralímpica do Comitê Paralímpico Brasileiro, que visa qualificar os estudantes brasileiros de Educação Física para que surjam novos profissionais adeptos ao movimento paralímpico.

A meta do Comitê é favorecer a inclusão de pessoas com algum tipo de deficiência através das práticas esportivas. O minicurso teve um total de cinco horas/aulas. Ele abrangeu o histórico, classificação funcional, elegibilidade, regras, fundamentos, especificidades do jogo e vivência prática. O primeiro momento com apresentação de informações e conhecimentos aconteceu em sala de aula, sendo a segunda etapa realizada na quadra esportiva do DEF, onde os estudantes tiveram oportunidade de vivenciar na prática como é disputado esta modalidade esportiva.

O professor José Agtônio Guedes, adiantou que, em 2019, deverá voltar à UEPB, desta vez para ministrar um novo curso completo, de três dias, com três modalidades paralímpicas. Ele disse que ficou surpreso com a aceitação dos estudantes da Instituição, o que significa que existe uma demanda reprimida e que a universidade precisa se aproximar cada vez mais do esporte paralímpico para formar futuros atletas medalhistas. “Esse é o primeiro contato com a UEPB para estreitar esse vínculo institucional. Quem ganha com isso são as pessoas com deficiência. Porque o profissional de Educação Física não enxerga a deficiência, mas o potencial que aquela pessoa pode ter para a prática esportiva”, afirmou.

A professora do Departamento de Educação Física, Anny Sionara Moura, explicou que o minicurso teve como finalidade capacitar e estimular os estudantes de Educação Física a trabalhar nas escolas com pessoas com deficiência para investir nos esportes paralímpicos. Ela ressaltou que no Nordeste essa modalidade ainda é pouco difundida, visto que os profissionais da área têm pouca capacitação em relação ao treinamento e as regras do esporte.

O estudante Ígo Albuquerque Melo, do 3º período no curso de Licenciatura em Educação Física, disse que o curso foi uma excelente oportunidade para ele obter conhecimentos teóricos e práticos e futuramente aplicá-los quado estiver no mercado de trabalho. Já a estudante Mary Chaves dos Santos, do 2º período, observou que a iniciativa com o técnico da seleção brasileira foi de grande importância para os futuros profissionais que na prática, precisam utilizar o método inclusivo com pessoas com deficiência.

O vôlei sentado é um esporte paralímpico que se apresenta como uma alternativa de inclusão de pessoas com deficiências. Esse paradesporto proporciona momentos para aprimorar suas potencialidades, fortalecer a autoestima e é uma opção de socialização, superação pessoal, dentre outros benefícios. A modalidade adaptada de vôlei nasceu na Holanda, em 1956, e tem regras diferentes estabelecidas pela World Organization Volleyball for Disable. Essas regras consideram a inclusão da prática para pessoas com diferentes deficiências.

Texto: Severino Lopes
Fotos: Tatiana Brandão