“Data Revolution UEPB” promove imersão de estudos com alunos do Curso de Estatística da Instituição

7 de novembro de 2019

Já pensou em se dedicar durante quatro dias, sendo 12 horas por dia, a uma maratona de estudos? Puxado, não é? Pois esse é o desafio para cerca de 60 estudantes do Curso de Estatística da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) até o próximo domingo (10), após ter início, na manhã desta quinta-feira (7), no Auditório da Biblioteca Central, no Câmpus de Bodocongó, o “Data Revolution UEPB”, evento que tem como propósito ajudar alunos que desejam ingressar na área da Ciência de Dados. A iniciativa oferece uma imersão em conteúdos fundamentais para a formação de futuros profissionais.

As atividades contam com trabalhos em grupo, treinos em equipe, gincanas, dinâmicas e horas extras de trabalho para simular a rotina das empresas. Esse tipo de evento é destinado a alunos que queiram aprender mais sobre mercado, modelando o cientista de dados para suas futuras aptidões. De acordo com o professor de Estatística da UEPB, Tiago Almeida, essa é uma grande oportunidade para os estudantes conhecerem mais sobre a realidade da profissão. Ele destacou a presença de três profissionais com experiência nesse tipo de imersão, algo que contribui bastante para o propósito de curso.

“Esse evento contou com o apoio e patrocínio do Núcleo de Tecnologias Estratégicas em Saúde (Nutes), o que nos garantiu oferecer todas as condições para a participação dos alunos. Além da vinda dos profissionais, garantimos almoço, lanche e jantar para termos condições de passar todos esses dias aprendendo assuntos importantes. Além de aprofundarmos na teoria, vamos ter vários momentos de prática para que os alunos possam cada vez mais se preparar para o mercado”, explicou Tiago.

Participam como instrutores, durante os quatro dias do Data Revolution UEPB, Adriana Silva, Rann Chen e Beatriz Marmejo. Presidente do Conselho Regional de Estatística da 3ª Região (CONRE-3), Adriana da Silva fez várias colocações importantes para os estudantes. Segundo ela, a Ciência de Dados permeia assuntos como a definição dos problemas de negócio, aquisição dos dados, preparação dos dados, análise exploratória dos dados, modelagem, visualização, comunicação, implementação e manutenção de dados.

“Esse é um momento muito bom para quem trabalha nessa área. Estamos evoluindo muito, mostrando nosso valor no desenvolvimento da Ciência de Dados. As empresas estão percebendo que não adianta investir apenas em software. Elas precisam investir na capacidade humana, no cérebro humano. Como as empresas estão aprendendo isso, elas não querem mais trabalhar com quem sabe só apertar um botão. Elas querem pessoas que sejam capazes de entender todo o processo”, explicou Adriana.

Aluna do 7º período de Estatística da UEPB, Elizandra da Silva participa pela primeira vez de uma atividade de imersão como essa e não escondeu a satisfação. Apesar de prever o cansaço físico e mental após os quatro dias de trabalho ininterrupto, ela afirmou que está com uma expectativa muito boa pela chance de aprendizado que está tendo. “Participar de um evento como esse é muito importante para nós. A chance de aprender muito sobre o mercado de trabalho é enorme e isso é maior do que qualquer cansaço que venhamos a sentir. Estou muito empolgada”, disse a estudante.

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti