CoRI promove troca de experiências entre futuros intercambistas e egressos da Mobilidade Internacional

17 de junho de 2019

O sonho de realizar um intercâmbio, conhecer novos países e enriquecer a bagagem cultural está prestes a ser realizado para 10 estudantes da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Selecionados pela Coordenadoria de Relações Internacionais (CoRI) para realizar intercâmbios através do Programa de Mobilidade Internacional (PROMIN), com financiamento exclusivo da Instituição, os estudantes conheceram os primeiros detalhes do intercâmbio e as exigências do programa.

Com ansiedade incontida e cheios de expectativas, eles se reuniram na manhã desta segunda-feira (17) com o coordenador de Relações Internacionais da UEPB, professor Cláudio Lucena, e com o secretário-executivo da CoRI, Christiano Soares, a fim de obter as informações necessárias para realizar a primeira experiência de intercâmbio. Além dos dez estudantes selecionados, a reunião contou com a presença dos alunos da primeira turma do PROMIN que já vivenciaram a experiência internacional e repassaram dicas importantes sobre a viagem.

Durante a reunião, professor Cláudio Lucena e Christiano Soares tiraram algumas dúvidas dos estudantes e repassaram informações imprescindíveis para a viagem, como a retirada do passaporte, as declarações exigidas pelas autoridades internacionais para conceder o visto, necessidade de vacinas antes da viagem, entre outras providências a serem tomadas para garantir um intercâmbio sem atropelos de última hora.

Além da maratona de documentos, os estudantes selecionados ainda estão em fase de escolher o destino onde pretendem realizar o tão sonhado intercâmbio. A viagem pode ser realizada já em setembro deste ano, mas também pode acontecer no primeiro semestre de 2020, de acordo com o calendário do ano eletivo europeu da universidade escolhida. Eles vão passar seis meses estudando fora.

A UEPB, por meio da CoRI, tem 25 convênios ativos com universidades em três continentes – na América Latina, África e Europa – sendo que a maioria dos estudantes demostrou interesse em realizar intercâmbio em universidades da França, Itália, Portugal, Romênia e Espanha. As universidades mais procuradas pelos egressos foram as de Portugal. “Os estudantes têm hoje cerca de 10 países em três continentes que podem escolher. Evidentemente que cada país tem sua limitação. Os dez não podem ir para a mesma universidade e não seria interessante isso. A ideia é espalhar todos para trazer diversidades”, disse Cláudio Lucena.

Ele ressaltou que, além de ser um sonho a ser realizado pelos estudantes, a oportunidade de realizar um intercâmbio também é um sonho da UEPB, em poder enviar jovens para representar a Instituição em vários países. Para conquistar a bolsa e fazer parte do grupo de protagonistas do programa, os estudantes disputaram vaga com centenas de candidatos inscritos de todos os câmpus da UEPB. Na seleção, a CoRI observou alguns critérios, como nível de Coeficiente de Rendimento Acadêmico (CRE), análises curriculares e entrevistas.

Christiano Soares enfatizou a importância dos alunos providenciarem toda a documentação com antecedência para evitar transtornos de última hora. Ele lembrou que o intercâmbio é uma experiência única de crescimento, enriquecimento cultural, mas também tem algumas dificuldades, como a adaptação ao país escolhido, as questões culturais e climáticas que os estudantes vão enfrentar.

Estudante do curso de Psicologia, em Campina Grande, Stephanie Lima Fechine de Alencar disse que estava com uma grande expectativa para a viagem e espera realizar o intercâmbio na França. Ela disse que acompanha a CoRI desde a primeira edição do programa e está prestes a realizar um sonho. “A ansiedade é grande e espero, se tudo der certo, voltar com novos conhecimentos para a minha futura profissão. A França é muito forte no estudo da Psicologia”, frisou.

Larissa Pontes Carvalho Gomes também é estudante de Psicologia e disse que está muito feliz com a oportunidade que a UEPB, por meio da CoRI, está lhe proporcionando de visitar outro país. Ela está em dúvida entre a Universidade de Coimbra, em Portugal, e a de Granada, na Espanha. “A expectativa do intercâmbio vai além da questão profissional. É uma experiência pessoal e cultural muito enriquecedora”, disse.

Experiências vividas

Enquanto uns vão, outros regressam. E quem já viveu a experiência do intercâmbio ajudou a orientar os futuros intercambistas. No encontro promovido nesta segunda, eles falaram da experiência vivenciada por cada um, as realizações e dificuldades da viagem. Os egressos aproveitaram a reunião para repassar dicas aos estudantes que vão realizar a experiência internacional.

Jéssika Monteiro Cordeiro é estudante de Letras, em Monteiro. Fez o intercâmbio na Universidade de Coimbra e, ao retornar à UEPB, disse que não tinha palavras para traduzir a experiência do intercâmbio. Ele relatou que foi um momento de muito aprendizado, de muita vivência e conhecimento de outra cultura. “Foi um momento muito rico e um divisor de águas na minha vida profissional e acadêmica”, destacou. Ela revelou que sentiu um pouco de dificuldade na adaptação, mas conseguiu superar. A estudante destacou o apoio da CoRI em todas as etapas do intercâmbio.

Olívia Maria Peixoto é estudante de Direito e fez o intercâmbio na Universidade de Granada, na Espanha. Ela também fez um relato da experiência vivenciada e, como dica aos estudantes que estão de malas prontas para a viagem, disse que não seria interessante escolherem muitas disciplinas. O ideal é escolher três disciplinas durante o período de estudo, segundo ela, para poder dispor de mais tempo para uma imersão em um universo cultural diferente do que o encontrado no Brasil.

Aluno de Jornalismo, José Ricardo Júnior passou seis meses na Universidade de Coimbra e, durante essa experiência, teve a oportunidade de conhecer estudantes de diversas partes do mundo. “Eu tive a oportunidade de conhecer e interagir com essas pessoas e não voltei mais o mesmo. É uma experiência transformadora”, disse, agradecendo a CoRi pela realização de um sonho. “A CoRI deu total assistência, desde o período que antecede a viagem até o processo de retorno, porque a gente precisa se adaptar novamente a Universidade. A Coordenadoria deu todo apoio necessário para que o intercâmbio acontecesse de forma eficaz”, enfatizou.

Foram selecionados para a segunda turma do PROMIN os alunos Jean Félix Borges (História – Câmpus I), Larissa Pontes Carvalho Gomes (Psicologia – Câmpus I), Mateus Rafael Uchôa Dantas (Psicologia – Câmpus I), Matheus Gabriel Nascimento Lima (Matemática – Câmpus I), Stephanie Lima Fechine de Alencar (Psicologia – Câmpus I), Juliana Freire dos Santos (Letras – Câmpus III), Ana Paula Medeiros Gomes (Letras – Câmpus IV), Vitória Gaspar Bernardo (Biologia – Câmpus V), Lucas Nunes Duarte (Ciências Contábeis – Câmpus VI) e Talita Linhares Soares (Administração – Câmpus VII).

Texto: Severino Lopes
Fotos: Givaldo Cavalcanti