Cachaça fabricada no Câmpus II da Universidade Estadual da Paraíba obtém registro da marca no INPI

10 de outubro de 2019

Um produto genuinamente regional, fabricado no engenho de alambique do Centro de Ciências Agrárias e Ambientais (CCAA) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), em Lagoa Seca, a cachaça Serra da Borborema obteve o registro da marca junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) e, com isso, deu um importante passo para, futuramente, ser comercializada e impulsionar de vez as pesquisas no setor de destilados do Complexo Agroindustrial da Instituição.

A produção, em fase de experimento no engenho, ainda é feita em pequena escala, mas poderá ser ampliada em breve. O setor de destilados do Câmpus II entrou em funcionamento graças a uma parceria público-privada entre a Escola Agrícola Assis Chateaubriand (EAAC) com a cachaça Serra Limpa, Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural da Paraíba (Emater) e o Engenho Santa Vitória.

O diretor do Câmpus II, professor José Félix, comemorou a conquista da marca e destacou que a cachaça Serra da Borborema tem qualidade para atrair o gosto dos paraibanos e impulsionar a economia da região . Ele destacou que, com o registro, a Universidade passou a ser a detentora da marca da Serra da Borborema, que ganhou identidade própria. O próximo passo é obter o registro junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o que garantirá a comercialização em larga escala.

A cachaça Serra da Borborema é fabricada de forma artesanal há um ano e meio, no Complexo Agroindustrial. Além do engenho de alambique, o CCAA conta com o Laboratório de Microbiologia para Fermentação, construído dentro do Complexo Agroindustrial do Câmpus II. A Unidade de Processamento de Fermentação e Destilados da UEPB possibilitará, no futuro, a criação de um selo que atestará a qualidade da cachaça produzida na Paraíba.

Texto: Severino Lopes
Foto: Arquivo CODECOM