Banco de germoplasma e jardim clonal para cultura do caju serão implantados no Câmpus de Catolé do Rocha

10 de março de 2017

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Centro de Ciências Humanas e Agrárias (CCHA) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), localizado em Catolé do Rocha, montará nos próximos 90 dias um jardim clonal da cultura do caju e o banco de germoplasma para fazer o cruzamento de diversas variedades da fruta. O projeto, que promete ajudar a Paraíba a se transformar em um dos maiores produtores de caju da região, será implantado graças a uma parceria entre a UEPB e Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Como forma de agilizar a parceria, os diretores da Embrapa Agroindústria Tropical, sediada em Fortaleza, Marlos Alves Bezerra, chefe adjunto de transferência de tecnologia; Francisco das Chagas Vidal Neto, pesquisador em melhoramento vegetal; e o pesquisador Antônio Teixeira Cavalcanti Junior conheceram a Escola Agrotécnica do Cajuzeiro e se reuniram com professores e estudantes da unidade. Na visita, eles definiram com o diretor do Câmpus, professor Edivan Silva Nunes Júnior, as três áreas onde serão implantados o banco de germoplasma da cultura do caju e o jardim clonal.

Nesse primeiro momento, o jardim clonal vai trabalhar com o caju tipo CCP76, enquanto o banco de germoplasma cultivará seis materiais genéticos da fruta. Eles serão cultivados a partir da retirada de novos clones da planta. A pretensão dos professores da UEPB e dos técnicos da Embrapa é criar as condições favoráveis para fazer o cruzamento das clonagens de tipos como o caju anão vermelho CCP 76 e o clone de outras espécies, melhorando a qualidade das variedades.

As mudas já estão sendo cultivadas pela Embrapa e a perspectiva é de que em 90 dias elas sejam plantadas nas áreas destinadas na Escola Agrotécnica do Cajueiro. Cerca de 200 mudas deverão ser utilizadas no início do projeto. Além do jardim clonal e do banco de germoplasma, uma área da Escola será transformada em  pomar para cultivar o caju orgânico. A parceria também prevê o envio de estudantes do Câmpus IV para a cidade de Pacajús (CE), onde funciona a unidade experimental da Embrapa. Lá eles irão aprender como é feito o processo de enxerto das variadas espécies do caju.

Durante a visita ao CCHA, os três pesquisadores da Embrapa ministraram palestra para os estudantes do Câmpus sobre a importância da cultura do caju. A parceria entre a UEPB e a Embrapa começou a ser firmada em dezembro do ano passado, quando o professor Edivan; a diretora adjunta da Escola Agrotécnica do Cajueiro, Maria do Socorro Caldas Pinto e a professora Eliane Rech, responsável pelo setor de fruticultura do Câmpus, estiveram reunidos com diretores da empresa em Fortaleza.

Professor Edivan ressalta que o banco de germoplasma da cultura do caju vai ajudar a enriquecer os conhecimentos dos estudantes do curso de Ciências Agrárias. A pretensão da UEPB é criar um viveiro para a produção e distribuição da cultura do caju, para fazer com que a Paraíba se torne referência da fruta na região.

Texto: Severino Lopes
Fotos: Divulgação