Aluno de Letras desenvolve projeto para ensinar Língua Inglesa a refugiados de guerra no Oriente Médio

23 de abril de 2019

Um aluno do curso de Letras/Inglês da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) está aproveitando a realização do seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) não apenas para cumprir uma exigência universitária e obter seu diploma graduação. Diante de tanta afinidade e interesse com seu tema de pesquisa, Filipe Arruda de Castro, que está no 5º período do curso, no Câmpus de Campina Grande, busca ir além no desenvolvimento de um projeto que reúne relevância social, voluntariado e satisfação pessoal.

Através do trabalho “O ensino de Língua Inglesa para refugiados no Oriente Médio: uma questão de Direitos Humanos”, ele pretende fazer um intercâmbio cultural na Jordânia, país do Oriente Médio cuja língua é o árabe e que se tornou o maior campo de refugiados sírios da região, para ministrar aulas de inglês para jovens refugiados que nunca tiveram esta oportunidade, auxiliando-os a resgatar sua dignidade, na formação em uma segunda língua e, ainda, no posicionamento em futuros trabalhos.

A previsão é que a viagem seja feita em janeiro de 2020 e tenha seis meses de duração. O trabalho deve ser desenvolvido por meio de voluntariado no Aylah Center (um centro de apoio a refugiados de guerras que conta com duas unidades, uma na capital, Aman, e outra em Al-Mafraq, na fronteira entre Síria e Jordânia). “O que eles podem conseguir na Jordânia são trabalhos informais, já que, no contexto da região, quem não é jordaniano não pode desempenhar atividades formais, o que acaba gerando uma segregação maior ainda”, ressaltou o pesquisador.

Paralelo a isso, Filipe coletará dados para o seu TCC, desenvolvendo um estudo prático que servirá na escrita de sua dissertação. Para isso, conta com o apoio de seus dois orientadores na UEPB: professor José Celso de Lima Junior, na área de Língua Inglesa, e professora Lígia Pereira dos Santos, na área de Educação e Direitos Humanos. De acordo com Filipe, o Aylah Center desenvolve este trabalho desde 2011 e o que ele pretende é colaborar com o seu conhecimento, de maneira que o ensino sirva como ferramenta de ascensão social pelo aprendizado de uma nova língua. “Também quero mostrar para os refugiados que eles não precisam ficar na Jordânia, mas podem ir para outros países, buscar abrigo em outros lugares, com línguas diferentes do árabe”, explicou.

Sobre as expectativas para a realização deste projeto, o graduando diz que está ansioso e que se propõe a trazer benefícios para a pesquisa da UEPB, para ele próprio – já que vai acumular muitas experiências – mas principalmente para os refugiados envolvidos. “De certa forma, esta é uma reflexão para o nosso País. A humanidade tem vivido em uma bolha e eu gostaria que as pessoas refletissem mais sobre as minorias que precisam de nossa atenção, para que saiam do individualismo e favoreçam as relações humanas, especialmente dos que não têm liberdade”, manifestou.

Para arrecadar fundos e tornar seu projeto realidade, Filipe está coletando contribuições através de uma vaquinha virtual. Outras informações através podem ser adquiridas através do e-mail filipecastrofac@gmail.com ou pelo telefone (83) 9 8203-5763.

Texto: Giuliana Rodrigues