1ª Oficina de Acústica da Fala trabalha questões sobre atividade motora e mecanismo acústico articulado

16 de outubro de 2019

A fala é uma atividade motora complexa e que pode ser abordada academicamente como parte do estudo geral do movimento, além de ser comparada com outros tipos de sons. O entendimento sobre os estudos acerca da perspectiva que envolve a acústica geral da fala foi uma das motivações para a realização da 1ª Oficina de Acústica da Fala, organizada pelo Grupo de Estudos em Fonética e Fonologia Fanatics for Phonetics da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). A atividade foi realizada nesta quarta-feira (16), no Auditório II da Central de Integração Acadêmica, no Câmpus de Bodocongó, e foi conduzida pelo professor Leônidas José da Silva Júnior.

Estudantes dos cursos de Letras dos câmpus de Campina Grande e Guarabira participaram da oficina, que apresentou o que é a fala, os aspectos sobre seu estudo, além de sua aplicação através da fala humana e também de equipamentos de inteligência artificial que utilizam esse recursos como forma de comunicação. Para o professor Leônidas da Silva, a fala é um mecanismo acústico articulatório que envolve questões de ondulatória, dentro dos estudos da Física, bem como sua aplicação na linguística.

“Discutimos com os alunos esse assunto sobre vários aspectos. Por exemplo, como se processa o som, do início dos movimentos do nosso corpo, atá a hora da fala. Abordamos questões teóricas e o mecanismo de produção da fala. São conhecimentos que nos fornecem possibilidades de estudos que são importantes para entendermos como uma pessoa de uma região fala, compará-la com outra região, e isso aplicado também no estudo da Língua Inglesa”, explicou o professor.

Duranta a 1ª Oficina de Acústica da Fala, os participantes também trabalharam com o software Praat, utilizado para análise e síntese da fala, a partir da averiguação do som como ondas, focando em parâmetros como frequência, comprimento, intensidade e outros aspectos. Os participantes puderam manusear o programa e ampliar seus conhecimentos acerca da ferramenta, bastante usada por profissionais do estudo das línguas para o desenvolvimento de pesquisas em várias áreas.

Texto e fotos: Givaldo Cavalcanti